Livro ‘O jeito Peter Lynch de investir’ por Peter Lynch

Baixar PDF 'O Jeito Peter Lynch De Investir' por Peter Lynch
As estratégias vencedoras de quem transformou Wall Street
Peter Lynch é o gestor de fundos número um dos Estados Unidos. Seu lema é: os pequenos investidores também podem se tornar especialistas e selecionar ações vencedoras com a mesma competência dos profissionais de Wall Street – só é preciso fazer algumas rápidas pesquisas. Em "O jeito Peter Lynch de investir", ele afirma que, ao observar o desempenho dos negócios e prestar atenção aos melhores produtos e serviços à sua volta – seja no shopping center ou no ambiente de trabalho –, você será capaz de descobrir quais empresas serão bem-sucedidas no futuro antes mesmo dos analistas profissionais. E, se chegar primeiro, você terá mais chances de encontrar as tenbaggers... 
Editora: Benvirá; 2ª edição (1 janeiro 2019)  Páginas: 304 páginas  ISBN-10: 8557173148  ISBN-13: 978-8557173149  ASIN: B07TYNXPNL

Clique na imagem para ler o livro

Peter Lynch foi gestor do Fidelity Magellan Fund entre 1977 e 1990. Sob sua liderança, esse fundo de investimentos se tornou um dos mais bem-sucedidos de todos os tempos. Ele hoje é vice-presidente da Fidelity Management & Research Company, braço da empresa voltado para a prestação de consultorias, além de um conhecido filantropo. John Rothchild é um jornalista especializado na área de finanças. Já escreveu para publicações como Time, Fortune, Worth e The New York Times Book Review, além de ser autor de “A fool and his money” e “Going for broke”.Juntos, Lynch e Rothchild escreveram também “Beating the street” e “Learn to earn”. 

Leia trecho do livro

Para Carolyn, minha esposa e melhor amiga por mais de 20 anos, pelo apoio e pelos sacrifícios que têm sido altamente importantes.

Para meus filhos, Marv, Annie e Beth, cujo amor entre si e pelos seus pais representa muito para mim.

Para meus colegas da Fidelity Investments, que, com seus esforços adicionais, tornaram o desempenho do Magellan possível, mas que não receberam nenhuma parcela de publicidade favorável.

Para o um milhão de investidores do Fundo Magellan, os quais confiaram a mim suas economias, enviaram milhares de cartas e realizaram milhares de chamadas telefônicas ao longo dos anos, dando-me apoio durante os declínios do mercado e lembrando-me de que tudo ficaria bem no futuro.

Ao Deus sagrado, por todas as bênçãos incríveis que tem me concedido durante a minha vida.

Apresentação

Este livro foi escrito para motivar e proporcionar informações básicas ao investidor individual. Quem poderia adivinhar que ele atingiria a marca de 30 edições e venderia mais de um milhão de cópias? Embora esta edição esteja sendo relançada 11 anos após a primeira, estou convencido de que os mesmos princípios que me auxiliaram a obter um bom desempenho no Fundo de Investimentos Fidelity Magellan ainda se aplicam ao investimento em ações nos dias de hoje.

Tem sido uma trajetória memorável desde que O jeito Peter Lynch de investir chegou às livrarias, em 1989. Eu deixei o Magellan em maio de 1990, e os especialistas disseram-me que essa fora uma decisão brilhante. Eles me parabenizaram por haver partido no momento certo — um pouco antes do colapso do mercado de alta. Naquela ocasião, os pessimistas pareciam espertos. Os maiores bancos do país aproximavam-se da insolvência, e, de fato, alguns deles foram à ruína. No começo do outono, a guerra estava se desenrolando no fraque. As ações sofreram uma de suas piores quedas na história recente. Mas, quando a guerra foi vencida, o sistema bancário sobreviveu, e as ações reagiram.

E que reação! O índice Dow Jones mais do que quadriplicou desde outubro de 1990, passando de um patamar de 2.400 para acima de 11.000 — a melhor década para as ações no século XX. Aproximadamente 50% das famílias dos Estados Unidos tinham ações ou fundos de investimentos, bem acima dos 32% em 1989. O mercado como um todo havia criado US$ 25 trilhões em riqueza, os quais agora podem ser vistos em todas as cidades e vilarejos. Se isso continuar, logo alguém escreverá um livro chamado Meu vizinho é um bilionário.

Mais de US$ 4 trilhões dessa nova riqueza estão aplicados atualmente em fundos de investimentos, contra US$ 275 bilhões em 1989. A bonança dos fundos parece-me positiva, considerando que eu próprio administro um deles. Mas isso também deve significar que uma porção de investidores amadores obteve péssimos lucros com suas escolhas. Caso tivessem se saído melhor na mãe de todos os mercados de ações, eles não teriam migrado para os fundos na extensão, como o fizeram. Talvez a informação contida neste livro possa colocar algum investidor errante em um caminho mais lucrativo.

Desde que deixei o Magellan, tomei-me, eu mesmo, um investidor individual. No setor caritativo, levanto recursos para a concessão de bolsas de estudo para jovens de áreas menos favorecidas, de todas as religiões, nas escolas católicas de Boston. Adicionalmente, trabalho meio expediente no Fidelity como conselheiro de gestão de fundos e orientador/treinador de jovens analistas. Ultimamente, meu tempo destinado ao lazer cresceu mais de 30 vezes, à medida que passo mais tempo com minha família, tanto em casa quanto no exterior.

Isso já é o bastante a ser dito em relação a mim. Voltemos ao meu assunto favorito: ações. Desde o início deste grande mercado de ações convencionais, em agosto de 1982, testemunhamos o maior crescimento do preço das ações da história dos Estados Unidos, com um aumento de mais de 15 vezes do índice Dow. No jargão Lynch, isso é uma fifteenbagger. Estou acostumado a encontrar fifteenbaggers em diversas empresas bem-sucedidas, mas uma fifteenbagger no mercado de uma forma geral é um resultado espantoso. Considere isto: do ponto mais alto, atingido em 1929, até 1982, o mercado de ações de alta produziu apenas uma fourbagger: um crescimento de 248 para 1.046 pontos em meio século! Ultimamente, os preços das ações têm aumentado mais rapidamente, à medida que se tornam maiores. O índice Dow levou 8 anos e meio para dobrar de 5.000 para 10.000 pontos. Entre 1995 e 1999, testemunhamos 5 anos sem precedentes, nos quais o mercado proporcionou retornos acima de 20%. Nunca haviam sido registrados lucros acima de 20% em períodos consecutivos.

O grande mercado de alta de Wall Street havia recompensado os crédulos e confundido os céticos de um modo que nenhum deles poderia imaginar no marasmo do princípio dos anos 1970, quando inicialmente assumi o comando do Magellan. Naquele momento de baixa, investidores desmoralizados tiveram de lembrar-se de que os mercados de baixa nunca duram para sempre e, com paciência, manter suas ações e cotas de fundos de investimento durante os 15 anos necessários para que o Dow e outros índices recuperassem os preços alcançados, em meados dos anos 1960. Atualmente, é importante lembrar que os mercados de baixa nunca duram para sempre e que se necessita de paciência em ambos os sentidos.

Na página 289 deste livro, afirtno que a divisão da ATT pode ter sido o evento mais importante ocorrido no mercado acionário daquela época. Hoje em dia, esse posto é ocupado pela internet, e, até o momento, a internet me deixou para trás. Durante todo o tempo, tenho sido “tecnofóbico”. Porém, minha experiência demonstra que não é necessário seguir a moda para ser bem-sucedido como investidor. De fato, a maioria dos grandes investidores que conheço (Warren Buffett, para começar) é “tecnofóbica”. Eles não trabalham com o que não compreendem, assim como eu. Eu compreendo a Dunkin’ Donuts e a Chrysler, razão pela qual suas ações habitam o meu portfólio. Entendo os bancos, as caixas de depósitos e seus afiliados mais próximos, como a Fannie Mae. Não acesso a intentet. Nunca a utilizei nem mantive uma conversa por meio dela. Sem alguma ajuda especializada (de minha esposa ou de minhas filhas), não conseguiria acessá-la.

Durante o feriado de Ação de Graças, em 1997, tomei uma gemada com um amigo de Nova York mais tolerante em relação à internet. Mencionei que minha esposa, Carolyn, admirava a escritora de livros de mistério Dorothy Sayers. Meu amigo sentou-se em um computador próximo e, com apenas alguns diques, obteve a relação completa de suas obras, além de comentários de leitores e avaliações de uma a cinco estrelas (em sites de literatura, os autores são avaliados da mesma forma que os gestores de fundos). Comprei quatro livros para Carolyn, escolhi o embrulho para presente, digitei nosso endereço e, assim, eliminei um item da minha lista de presentes. Essa foi a minha apresentação ao Amazon.com.

Posteriormente, você terá a oportunidade de ler acerca do modo pelo qual eu descobri algumas das minhas melhores ações durante uma refeição ou ao fazer compras, algumas vezes muito antes de outros caçadores profissionais de ações as descobrirem. Porém, uma vez que a Amazon existia apenas no ciberespaço, e não em algum centro de compras nas cidades, eu a ignorei. Não que a Amazon estivesse além de minha compreensão — o negócio era tão inteligível quanto o de uma lavanderia. Além disso, em 1997, ela tinha seu preço razoavelmente cotado, como resultado de suas perspectivas, além de ser bem financiada. Mas eu não era suficientemente flexível para enxergar uma oportunidade nesse novo caminho. Se tivesse tido o trabalho de pesquisar, teria percebido o grande mercado para esse tipo de negócio e a habilidade da Amazon em capturá-lo. Infelizmente, não o fiz. Enquanto isso, a Amazon cresceu mais de 10 vezes apenas em 1998 (uma tenbagger, no jargão Lynch).

As ações da Amazon são uma entre pelo menos 500 ações de empresas “pontocom” que apresentaram crescimentos extraordinários. Nos círculos de alta tecnologia e “pontocom”, não é incomum para ofertas públicas de ações recentemente lançadas o aumento em mais de 10 vezes em menos tempo que o necessário para Stephen King escrever um novo suspense. Esses investimentos não exigem muita paciência. Antes do surgimento da internet, as empresas tinham de conquistar seu crescimento para atingir a relação das bilionárias. Atualmente, elas podem atingir valores bilionários antes mesmo de obterem lucros ou, em alguns casos, de sequer obterem quaisquer receitas. O Sr. Mercado (um apelido fictício para as ações em geral) não espera até que um site recém-nascido consiga ter êxito na vida real, como, digamos, o Walmart ou o Home Depot o fizeram na última geração.

Com as ações dinâmicas da internet de hoje em dia, as ações fundamentais do passado são coisa de museu (a expressão “coisa de museu” é igualmente antiga, o que prova que sou antiquado por utilizá-la). A simples aparição das palavras “ponto” e “com” e o empolgante conceito por detrás delas já são suficientes para convencer os otimistas de hoje a pagarem, por antecipação, pelo valor de uma década de crescimento e prosperidade. Os compradores subsequentes pagam preços cada vez maiores, baseados em “ações fundamentais” do futuro, as quais melhoram a cada seleção.

A julgar pelas vendas de Masserati no vale do Silício, as empresas “pontocom” são altamente recompensadoras para os empreendedores que as oferecem publicamente e para os primeiros compradores, que as deixam no momento-oportuno. Mas eu gostaria de advertir as pessoas que compram ações após elas haverem aumentado significativamente. Faz sentido investir em uma empresa “pontocom” quando seus preços já refletem anos de crescimento com lucro rápido, que pode ou não ocorrer? Da forma como coloquei essa questão, você já percebeu que a resposta é “não”. Com muitos desses novos lançamentos, o preço da ação dobra, triplica ou mesmo quadruplica no primeiro dia de comercialização. A menos que seu corretor consiga efetuar sua ordem de compra sobre um lote significativo de ações — um prospecto improvável, uma vez que as ofertas públicas de ações de empresas de internet são mais desejadas que ingressos para o Super Bowl, você perderá uma parcela expressiva dos lucros. Talvez até perca todo o ganho, considerando-se que algumas “pontocom” atingem, nas primeiras sessões de pregão, preços altos que jamais obterão novamente.

Caso você se sinta deixado de fora desse alvoroço em torno das empresas “pontocom”, lembre-se de que pouquíssimos são os investidores da área que efetivamente delas se beneficiam. É enganoso medir o progresso dessas ações a partir do preço de oferta, o qual a maioria dos compradores não consegue alcançar. Aqueles responsáveis por distribuir as ações são considerados sortudos caso recebam mais do que algumas delas.

Apesar da satisfação imediata que me cerca, continuei a investir da forma tradicional. Eu tenho ações nas quais os resultados dependem dos velhos fundamentos: uma empresa bem-sucedida entra no mercado, seus preços sobem, e o preço das ações acompanha esse movimento. Ou, então, uma empresa com problemas consegue reestruturar-se. Um grande vencedor típico do portfólio Lynch (continuo, também, a escolher minha parcela de perdedores!) leva de 3 a 10 anos, ou mais, para apresentar resultados.

Em razão da ausência de lucros no território “pontocom”, grande parte dessas empresas não pode ser avaliada utilizando-se o mesmo padrão de preço/lucros. Em outras palavras, não há um “L” na relação essencial “P/L” (preço da ação em relação aos lucros por ação). Sem uma relação P/L para rastrear, os investidores centram-se na pequena porção de dados que veem em todos os lugares: o preço da ação! Na minha concepção, o preço da ação é a informação menos útil que você pode monitorar e, ainda assim, trata-se daquela mais amplamente monitorada. Quando a primeira edição deste livro foi escrita, em 1989, uma faixa de alerta com informações era exibida no canto inferior da tela no canal Financial News. Hoje em dia, você pode encontrar uma faixa de alerta em diversos canais, enquanto outros apresentam pequenas caixas que exibem o Dow, o S&P 500 e assim por diante. Os espectadores dos canais não conseguem deixar de tomar conhecimento da hora em que se encerra o mercado. Nos portais mais populares da internei, é possível clicar em um portfólio personalizado e obter as últimas oscilações para cada grupo. Você também pode obter os preços das ações por telefones 0800, pagers ou correios de voz.

Para mim, essa barreira em relação ao preço das ações transmite uma mensagem errada. Se minha empresa favorita da internei tem suas ações à venda por US$ 30 e a sua por US$ 10, então as pessoas que focam no preço dirão que a minha empresa é superior à sua. Aquilo que o Sr. Mercado paga por uma ação hoje ou na próxima semana não lhe diz qual empresa tem a melhor chance de ser bem-sucedida daqui a 2 ou 3 anos na internei. Se você consegue apenas uma pequena porção de dados, acompanhe os lucros — considerando que a empresa em questão tenha lucros. Como você verá neste livro, eu concordo com a noção mais básica de que, cedo ou tarde, os lucros podem encorajar ou desencorajar um investimento em ações. Aquilo que ocorre com o preço das ações hoje, amanhã ou na próxima semana é apenas uma distração.

A internei está muito longe de ser a primeira inovação que modificou o mundo. Invenções como a ferrovia, o telefone, o carro, o avião e a TV podem alegar ter produzido efeitos revolucionários sobre a vida cotidiana ou, pelo menos, em relação à parcela mais rica da população global. Esses novos setores produziram novas empresas, mas apenas uma porção delas sobreviveu para dominar a sua área. O mesmo provavelmente acontecerá com a internei. Um grande nome ou dois irão dominar o território, da mesma forma como o McDonald’s fez com os hambúrgueres e a Schlumberger com o setor de óleo. Os acionistas dessas empresas triunfantes prosperarão, enquanto os acionistas de empresas consideradas mais morosas, antigos prodígios e promessas perderão dinheiro. Talvez você seja suficientemente esperto para escolher os grandes vencedores que se juntarão ao exclusivo clube das empresas que ganham mais de US$ 1 bilhão por ano.

Embora a “pontocom” típica ainda não tenha lucros, você pode fazer uma análise simples, que proporcionará uma ideia geral daquilo que a empresa precisará ganhar no futuro para justificar o preço atual da ação. Vamos considerar um caso hipotético: Dotcom.com. Inicialmente, você obterá o valor de mercado ao multiplicar o número de ações vigentes (digamos, 100 milhões) pelo preço atual da ação (consideremos US$ 100 por ação). Cem milhões de vezes US$ 100 equivale a US$ 10 bilhões: esse é o valor de mercado da Dotcom.com.

Sempre que investir em qualquer empresa, você está buscando um aumento de sua capitalização de mercado. Isso não acontecerá, a menos que os compradores estejam pagando preços mais altos pelas ações, tornando seu investimento mais valioso. Com isso em mente, antes que a Dotcom.com possa se tornar uma tenbagger, seu valor de mercado deve aumentar 10 vezes, de US$ 10 bilhões para US$ 100 bilhões. Uma vez que você estabeleceu esse valor de mercado-alvo, você deve se perguntar: quanto a Dotcom.com deverá ganhar para corresponder a uma avaliação de US$ 100 bilhões? Para obter uma resposta simples, você pode aplicar uma fórmula genérica de preço/lucro para uma operação em franco crescimento — no agressivo mercado atual, digamos, 40 vezes os lucros.

Permita-me fazer uma digressão neste ponto. Na página 171, menciono a forma pela qual empresas maravilhosas tornam-se investimentos arriscados quando as pessoas pagam muito caro por elas, utilizando o McDonald’s como exemplo. Em 1972, o preço da ação era cotado precariamente por 50 vezes os lucros. Sem nenhuma possibilidade de “corresponder a essas expectativas”, o preço caiu de US$ 75 para US$ 25, tornando-se uma grande oportunidade de compra por um preço “mais realista” de 13 vezes os lucros.

A seguir, também menciono o inchado preço de 500 vezes os lucros que os acionistas pagaram pela Electronic Data Systems, de Ross Perot. No patamar de 500 vezes os lucros, ressaltei: “teria levado cinco séculos para retornar seu investimento, caso os lucros da EDS se mantivessem constantes”. Graças à internei, um preço de 500 vezes os lucros perdeu a capacidade de chocar, assim como os de 50 vezes ou 40 vezes da Dotcom.com, de nosso exemplo teórico.

De qualquer modo, para tornar-se um empreendimento de US$ 100 bilhões, podemos especular que a Dotcom.com deva ter receitas de US$ 2,5 bilhões por ano. Apenas um terço das empresas dos Estados Unidos teve lucros acima de US$ 2,5 bilhões em 1999, de modo que, para isso ocorrer com a Dotcom.com, ela deverá juntar-se ao exclusivo clube dos grandes vencedores, ao lado de empresas como a Microsoft. Um feito raro, de fato.

Eu gostaria de encerrar esta breve discussão sobre a internet com uma nota positiva. Há três formas de investir nessa tendência sem ter de aderir à esperança e a um valor de mercado extravagante. A primeira é um produto da velha estratégia “pás e picaretas”: durante a Corrida do Ouro, grande parte dos aspirantes a mineiro perdeu dinheiro, mas as pessoas que lhes vendiam picaretas, pás, tendas e jeans índigo (Levi Strauss & Co.) obtiveram bons lucros. Atualmente, você pode procurar por empresas que não são da internet, mas que, indiretamente, beneficiam-se de seu tráfego (empresas de entrega de encomendas são um exemplo óbvio), ou você pode investir em fabricantes de controles e equipamentos relacionados, que mantêm o fluxo operando.

A segunda forma é a chamada “atuação livre na internet”. Isso ocorre quando um negócio da internet está atrelado a outro que não se utiliza originalmente do mesmo meio, com lucros reais e um preço razoável para suas ações. Não citarei nomes — você pode realizar suas próprias pesquisas —, mas vários elementos interessantes externos à internet me despertam a atenção. Em uma situação típica, uma empresa qualquer está avaliada, digamos, em US$ 800 milhões no mercado atual, enquanto sua operação incipiente de internet está avaliada em US$ 1 bilhão, antes de ela ter se mostrado viável. Se a operação da internet corresponder à expectativa, ela poderá se mostrar muito recompensadora — aquela parte da empresa pode ser “separada”, de modo que será negociada por meio de sua própria ação. Ou, se o empreendimento com a internet não der certo, o fato de ser um anexo à área regular de operação da empresa pode proteger os investidores da derrocada.

A terceira forma é a do beneficio tangencial, no qual uma empresa tradicional, do tipo que tenha estrutura física, obtém benefícios por meio da internet decorrentes do corte de despesas e da fluidez nas operações, tornando-se mais eficiente e, desse modo, mais lucrativa. Há uma geração, scanners foram instalados nos supermercados. Isso reduziu os furtos, melhorou os controles dos estoques e foi uma grande melhoria para as cadeias de supermercados.

Ao avançarem, a internet e seus seguidores criarão algumas histórias de sucesso, mas, a essa altura, temos essencialmente grandes expectativas e uma precificação ineficiente. Empresas avaliadas atualmente em US$ 500 milhões podem triunfar, enquanto outras avaliadas em US$ 10 bilhões podem não valer um centavo sequer. À medida que as expectativas tornam-se realidade, os vencedores se tornarão mais óbvios do que são hoje em dia. Os investidores que enxergam isso terão tempo para agir em relação à sua “vantagem”.

Voltando à Microsoft, uma “multiplicadora de base 100” que ignorei. Assim como a Cisco e a Intel, aquela empresa avassaladora apresentou lucros explosivos praticamente desde o começo. A Microsoft abriu seu capital em 1986, por 15 centavos a ação. Três anos mais tarde, uma ação poderia ser comprada por menos de US$ 1 e, desde então, aumentou 80 vezes de valor. Caso alguém tivesse adotado a abordagem Missouri de “ver primeiro” e esperado para comprar as ações da Microsoft até que ela triunfasse com o Windows 95, teria ganho 7 vezes o seu capital. Ninguém precisava ser programador para enxergar a Microsoft em todos os lugares para os quais olhava. Exceto no quintal da Apple, todos os novos computadores vinham equipados com o sistema operacional da Microsoft, o Microsoft Windows. Os Apple estavam perdendo seu encanto. Quanto mais computadores utilizavam o Windows, mais frequentemente os programadores escreviam programas para Windows, e não para a Apple. Esta estava presa em um dos cantos, em uma situação em que vendia seus computadores para 7% a 10% do mercado.

Enquanto isso, os fabricantes de computadores pessoais que executavam os programas da Microsoft (Dell, Hewlett-Packard, Compaq, IBM etc.) deflagraram uma terrível guerra de preços para vender mais computadores. Essas disputas intermináveis prejudicaram os lucros dos fabricantes de computadores, mas a Microsoft permaneceu intocada. A empresa de Bill Gates não estava no negócio de computadores; ela vendia a “gasolina” que movia os aparelhos.

A Cisco é outra empresa com desempenho exemplar. O seu preço por ação aumentou 480 vezes desde a abertura de seu capital, em 1990. Eu ignorei esse vencedor incrível pelas razões convencionais, mas muita gente deve tê-la notado. As empresas contratavam a Cisco em grande escala para auxiliar a fazer a conexão de seus computadores em rede; então, as faculdades a contrataram para informatizar seus alojamentos. Estudantes, professores e pais em visita aos filhos devem ter notado esse desenvolvimento. Talvez algumas pessoas tenham voltado para casa, pesquisado um pouco sobre ela e comprado suas ações.

Eu mencionei a Microsoft e a Cisco para adicionar exemplos contemporâneos’, com o objetivo de ilustrar um grande tema deste livro. Um investidor amador pode escolher os grandes vencedores de amanhã ao prestar atenção em novos fatos em seu local de trabalho, centro comercial, pontos de vendas de veículos, restaurantes ou em qualquer outro lugar onde promissores novos negócios fazem a sua estreia. Já que abordo este assunto, se faz necessário um esclarecimento.

Charles Barkley, um famoso jogador de basquetebol, conhecido pelas suas declarações polêmicas, uma vez alegou ter sido equivocadamente citado em sua própria autobiografia. Eu não me queixo de ter sido erroneamente citado neste livro, mas fui mal interpretado em um ponto essencial. Aqui está, portanto, minha declaração de isenção:

Peter Lynch não recomenda a você que compre sua ação favorita apenas porque gosta de comprar em determinada loja; tampouco deveria comprar ações de um fabricante apenas porque ele produz seu produto favorito ou de um restaurante somente porque aprecia sua comida. Gostar de uma loja, um produto ou um restaurante é uma boa razão para colocá-lo em sua lista de pesquisa, mas isso não é uma justificativa suficiente para ter sua ação! Nunca invista em qualquer empresa antes de haver feito sua lição de casa acerca das perspectivas de ganho, das condições financeiras, da posição entre competidores, dos planos de expansão e assim por diante.

Se você possui ações de uma empresa de varejo, outro fator essencial na análise é descobrir se a empresa está em sua fase final de expansão — o que eu chamo de “minutos furais do seu jogo”. O fato de a Radio Shack ou a Toys”R”Us estarem estabelecidas em 10% do país trata-se de um prospecto muito diferente da manutenção de lojas em 90% do país. Você deve monitorar de onde provém o futuro crescimento e quando há uma probabilidade de ele arrefecer.

Nada ocorreu para abalar minha convicção de que o típico amador tem vantagens sobre o gestor de fundos profissional convencional. Em 1989, os profissionais desfrutavam de acesso mais rápido às melhores informações, porém o fluxo de informações foi bloqueado. Na década de 1970, os amadores poderiam obter informações sobre uma empresa de três formas: a partir da própria empresa, dos informativos disponíveis no mercado ou dos relatórios redigidos por analistas empregados das corretoras de valores nas quais os amadores mantinham uma conta. Geralmente esses relatórios eram enviados pelas matrizes, sendo necessários vários dias para que a informação chegasse a seus destinatários.

Hoje em dia, uma série de relatórios de analistas está disponível na internet, e qualquer navegador pode obtê-los quando desejar. Os alertas de notícias sobre suas empresas favoritas são automaticamente enviados para seu endereço de e-mail. Pode-se descobrir se indivíduos ligados à empresa estão comprando ou vendendo ou se uma ação teve a sua avaliação aumentada ou reduzida pelas corretoras de valores. É possível também utilizar telas personalizadas para procurar ações com características específicas, bem como monitorar fundos de investimento de todas as variedades, comparar seus históricos e descobrir o nome de suas dez melhores ações. Também é possível clicar na seção “livro de informações gerais” inserida na versão on-line do The Wall Street Journal e do Barron’s e obter uma visão panorâmica de praticamente todas as empresas negociadas publicamente. Dali, pode-se acessar a página da Zack’s e obter um resumo das avaliações de todos os analistas em relação a uma ação em particular.

Novamente graças à internet, o custo de comprar e vender ações foi drasticamente reduzido para o pequeno investidor, assim como ocorreu com os investidores institucionais, em 1975. O comércio on-line pressionou as corretoras de valores tradicionais a reduzirem suas comissões e tarifas de transação, mantendo uma tendência que se iniciou com o nascimento do corretor econômico há duas décadas.

Você pode estar se perguntando o que aconteceu com os meus hábitos de investidor desde que deixei o Magellan. Em vez de acompanhar milhares de empresas, eu agora acompanho, talvez, 50 delas — continuo a ocupar postos em comitês de investimento de diversas fundações e grupos de caridade, mas, em todos esses casos, contratamos gestores de portfólio e deixamos que eles selecionem as ações. Os investidores que acompanham as últimas tendências podem pensar que a família de portfólios de Lynch pertence à New England Society of Antiquities. Ela contém ações de caixas de empréstimos que comprei por preços realmente baixos, no período em que esse tipo de empresa não era apreciado. Essas ações tiveram um movimento excepcional, e eu ainda tenho algumas delas. (Vender vencedores de longo prazo irá sujeitá-lo a um Imposto de Renda — uma alíquota de 20% sobre os lucros.) Também tenho ações de diversas empresas em crescimento que tenho mantido desde os anos 1980 e algumas poucas desde os anos 1970. Esses negócios continuam a prosperar; ainda assim, suas ações continuam a apresentar um preço razoável. Além disso, ainda detenho um amplo suprimento de ações perdedoras que estão à venda por um preço muito inferior àquele que paguei por elas. Não mantenho essas empresas decepcionantes porque sou teimoso ou nostálgico. Eu as mantenho porque, em todas elas, as finanças estão em ordem e há evidências de tempos melhores no futuro.

Minhas ações pouco expressivas me fazem lembrar um ponto importante. Você não precisa ganhar dinheiro com todas as ações que escolhe. Em minha experiência, 6 entre cada 10 vencedores de um portfólio são capazes de produzir resultados satisfatórios. Por que isso ocorre? Suas perdas estão limitadas à quantidade que você investe em cada ação (o que não pode ser maior que nada), enquanto seus lucros não têm um limite absoluto. Invista US$ 1.000 em uma ação pouco expressiva e, no pior caso, você poderá perder US$ 1.000. Invista US$ 1.000 em ações de alto desempenho e poderá ganhar US$ 10.000, US$ 15.000, US$ 20.000 ou ainda mais ao longo dos anos. Tudo o que você precisa para uma vida de investimentos bem-sucedidos são apenas alguns grandes vencedores, e os lucros decorrentes destes conseguirão superar as perdas das ações que não obtiverem um bom desempenho.

Permita-me atualizá-lo acerca de duas empresas cujas ações não tenho, mas sobre as quais escrevo neste livro: Bethlehem Steel e General Electric. Ambas me proporcionam uma útil lição. As ações da Bethlehem, uma antiga ação de primeira linha, estiveram em queda desde os anos 1960. Uma famosa empresa antiga, aparentemente, pode ser tão desanimadora para os investidores quanto uma iniciante instável. E a Bethlehem, um velho símbolo do poder americano, tem continuado a desapontar. Em 1958, ela era vendida por US$ 60 cada ação, declinando para US$ 17 em 1989, o que prejudicou tanto investidores tradicionais quanto caçadores de ofertas, que pensavam haver encontrado um ótimo negócio. Desde 1989, seu preço caiu ainda mais, de US$ 17 para valores de um dígito, provando que uma ação barata sempre pode ficar mais barata. As ações da Bethlehem podem tornar a subir algum dia. Mas presumir que isso irá acontecer é desejar, não investir.

Eu recomendei a compra de ações da General Electric em um programa nacional de televisão (e ela tem sido uma tenbagger desde então), mas, no livro, afirmo que o tamanho da GE (valor de mercado de US$ 39 bilhões; lucros anuais de US$ 3 bilhões) poderia tornar dificil para a empresa aumentar seus lucros de uma forma rápida. De fato, a empresa que “traz coisas boas à vida” tem trazido mais beneficios a seus acionistas do que eu havia antecipado. Diferentemente das expectativas, e sob a astuta liderança de Jack Welch, esse gigante corporativo partiu para uma marcha de lucros. Welch, que recentemente anunciou sua aposentadoria, conseguiu fazer com que as numerosas divisões da GE atingissem desempenho máximo, utilizando capital excedente para adquirir novos negócios e recomprar ações. O triunfo da GE nos anos 1990 demonstra a importância de acompanhar a trajetória de uma empresa.

A recompra de ações traz outra mudança importante no mercado: o dividendo está se tornando uma espécie em extinção. Eu escrevo sobre sua importância na página 211, mas o velho método de recompensar os investidores parece ter seguido o mesmo caminho de uma espécie em extinção. A parte má em relação ao desaparecimento dos dividendos é que o recebimento regular de cheques pelo correio proporcionava aos investidores um fluxo de renda constante, bem como uma razão para manter as ações durante os períodos em que seus preços deixavam de ser recompensadores. Ainda em 1999, o dividendo distribuído pelas empresas listadas na relação das 500 da Standard & Poors caiu para seu ponto mais baixo desde a Segunda Guerra Mundial: próximo a 1%.

É verdade que as taxas de juros são menores hoje do que eram em 1989, de modo que se poderia esperar que os pagamentos em títulos públicos e dividendos sobre ações fossem menores. À medida que os preços das ações sobem, o dividendo pago, naturalmente, cai. (Se uma ação de US$ 50 paga US$ 5 de dividendo, ela remunera 10%; quando o preço da ação atinge US$ 100, ela remunera 5%.) Enquanto isso, as empresas não estão aumentando seus dividendos do modo como o faziam anteriormente.

“O que é tão incomum”, observou o The New York limes, em 7 de outubro de 1999, “é que a economia está indo muito bem, mesmo quando as empresas se tornam cada vez mais relutantes em aumentar seus dividendos”. Em um passado não tão distante, quando uma empresa madura e saudável rotineiramente aumentava seus dividendos, isso era um sinal de prosperidade. Reduzir os dividendos ou deixar de aumentá-los era um sinal de problemas. Ultimamente, empresas saudáveis simplesmente estão evitando os dividendos e utilizando o dinheiro para recomprar suas próprias ações, como a General Electric. Reduzir a disponibilidade de ações aumenta os lucros por ação, o que, consequentemente, recompensa os acionistas, embora eles não colham esses lucros até que vendam suas ações.

Se alguém é responsável pelo desaparecimento dos dividendos, esse alguém é o governo dos Estados Unidos, o qual taxa os lucros corporativos e, consequentemente, os dividendos corporativos pela alíquota máxima. Para auxiliar seus acionistas a evitar a dupla tributação, as empresas abandonaram o dividendo em favor da estratégia de recompra, a qual aumenta o valor da ação. Essa estratégia sujeita os acionistas a impostos sobre ganhos de capital mais elevados no caso de venderem suas ações, enquanto ganhos de capital de longo prazo são tributados pela metade da alíquota do imposto de renda convencional.

Por falar em ganhos de longo prazo, durante 11 anos de almoços e jantares eu pedia às pessoas que levantassem as mãos: “Quantos de vocês são investidores de longo prazo em ações?”. Até o momento, a resposta foi unânime — todos são investidores de longo prazo, incluindo os operadores de mercado presentes entre os espectadores, os quais haviam tirado algumas horas de folga. O investimento de longo prazo em ações tem se tornado tão popular que é mais fácil admitir ser um consumidor de drogas do que um investidor de curto prazo.

As notícias sobre o mercado de ações passaram de “difíceis de encontrar” (nos anos 1970 e no começo dos anos 1980) para “fáceis de achar” (no final dos anos 1980) e até “difíceis de ignorar”. As previsões financeiras são acompanhadas tão continuamente quanto as previsões climáticas de máximas, mínimas, frentes frias, zonas de baixa pressão e turbulências, resultando em uma especulação infinita sobre o que virá a seguir e como lidar com essa informação. As pessoas são aconselhadas a pensar em longo prazo, mas os comentários constantes em cada oscilação as deixam tensas e as mantêm focadas no curto prazo. É um desafio não agir perante essas informações. Se houvesse uma forma de evitar a obsessão pelas últimas subidas e descidas e verificar os preços das ações apenas a cada 6 meses, do mesmo modo que fazemos com o óleo de um carro, os investidores poderiam ficar mais relaxados.

Ninguém acredita no investimento de longo prazo mais do que eu, mas, assim como uma regra de ouro, é mais fácil falar do que fazer. Apesar disso, essa geração de investidores manteve a fé e seguiu o curso durante todas as correções que mencionei anteriormente. A julgar pelos pedidos de resgate de meu antigo fundo, o Fidelity Magellan, os clientes têm sido excepcionalmente descuidados. Apenas uma pequena porção vendeu suas ações durante o mercado de baixa na época da Guerra do Golfo, em 1990.

Graças aos operadores diários e a alguns profissionais gestores de fundos Hedge, as ações agora trocam de mãos a uma velocidade impressionante. Em 1989, um pregão com 300 milhões de ações negociadas era uma sessão extremamente movimentada na Bolsa de Valores de Nova York; hoje, 300 milhões é um prelúdio sonolento, sendo 800 milhões a média negociada. Os operadores diários agitaram o Sr. Mercado? As alterações constantes nos índices de ações têm algo a ver com isso? Independentemente da causa (vejo os operadores diários como um fator significativo), a negociação frequente tornou os mercados de ações mais voláteis. Há uma década, um movimento de mais de 1% no preço das ações para cima ou para baixo era uma ocorrência rara. Atualmente, temos movimento de 1% várias vezes em um mês.

A propósito, as chances de alguém conseguir êxito no negócio de operações diárias são as mesmas encontradas nas pistas de corrida, nas mesas de jogo ou no vídeo poker. De fato, eu penso na operação diária como um cassino doméstico. O ponto negativo do cassino doméstico é a papelada. Se você realizar 20 operações diariamente, poderá acabar com 5.000 operações em um ano, as quais devem ser registradas, organizadas e relatadas para a Receita Federal. Desse modo, a operação diária é um cassino, que emprega uma porção de contadores.

Há pessoas que desejam saber como as ações se saíram em determinada data e perguntam como o Dow encerrou o dia. Eu estou mais interessado em quantas ações subiram em relação às ações que caíram. Esses números chamados de relação de subidas/quedas pintam uma imagem mais realista. Nunca isso foi tão verdadeiro quanto no recente mercado exclusivo, no qual algumas poucas ações sobem, enquanto a maior parte delas permanece estagnada. Os investidores que adquirem ações de pequeno porte “subavaliadas” ou ações de porte médio têm sido punidos por sua prudência. As pessoas estão se perguntando: como o S&P 500 pode ter subido 20% e as minhas ações continuarem em baixa? A resposta é que um conjunto pequeno de ações de grande porte no S&P 500 está elevando a média para cima.

Em 1998, por exemplo, o índice S&P 500 havia crescido, de modo geral, 28%, mas bastava um olhar mais detalhado para descobrir que as 50 maiores empresas do índice haviam subido 40%, enquanto as outras 450 haviam atingido as metas com muita dificuldade. No mercado Nasdaq, o lar das ações das empresas de internet e demais empresas de apoio, apenas as 12 maiores empresas eram as grandes vencedoras, enquanto as restantes das ações da Nasdaq reunidas eram perdedoras. A mesma história se repetiu em 1999, quando um grupo de elite de vencedoras distorcia as médias e produzia uma multidão de perdedores. Mais de 1.500 ações negociadas na New York Stock Exchange perderam valor em 1999. Essa dicotomia não tem precedente. A propósito, tendemos a acreditar que o índice S&P 500 é dominado por empresas gigantes, enquanto a Nasdaq é o paraíso para as empresas pequenas, porém, no final dos anos 1990, os gigantes da Nasdaq (Intel, Cisco e um punhado de outras empresas) dominavam o índice Nasdaq de uma forma mais ampla do que os gigantes da S&P 500 dominavam seu índice.

Um setor que está repleto de ações de empresas de pequeno porte é o de biotecnologia. Minha aversão à alta tecnologia me fazia caçoar do empreendimento típico da área de biotecnologia: US$ 100 milhões provenientes da oferta de ações, 100 doutores, 99 microscópios e zero em receitas. Os eventos recentes, no entanto, me inspiraram a adotar um discurso mais favorável em relação à biotecnologia — não que amadores devam escolher suas ações aleatoriamente, mas o setor de biotecnologia, em geral, poderá desempenhar neste novo século o mesmo papel que as empresas de eletrônica tiveram no século passado. Hoje, uma longa lista de empresas de biotecnologia tem receitas; aproximadamente 40 delas obtêm lucros e outras 50 estão prontas para fazer o mesmo. Amgen tomou-se uma genuína blue chip, em biotecnologia, com lucros acima de US$ 1 bilhão. Um dos vários fundos de investimentos em ações de biotecnologia pode ser digno de receber um investimento de longo prazo com uma parcela do seu dinheiro.

Os comentaristas de mercado enchem os meios de comunicação com comparações entre o mercado de hoje e algum mercado do passado, com afirmações como “Isso se parece muito com 1962” ou “Isso me faz lembrar 1981”, ou, quando estão muito pessimistas, “Estamos vivendo um novo 1929”. Ultimamente, a comparação prevalente parece ser com o começo dos anos 1970, quando as ações de empresas de pequeno porte falharam e as de maior porte (especialmente as altamente exaltadas “Cinquenta Fabulosas” — Nifly Fim) continuaram a subir. Então, nos mercados de baixa de 1973-1974, as “Cinquenta Fabulosas” caíram entre 50% e 80%! Esse declínio perturbador desmentiu a teoria de que as grandes empresas estavam imunes ao mercado de baixa.

Marcações: , ,