Livro ‘O poder do ator’ por Bruna Fachetti

Livro 'O poder do ator' por Bruna Fachetti
A técnica de atuação que levou Brad Pitt e Halle Berry ao Oscar chega agora ao Brasil. Best-seller do Los Angeles Times, O poder do ator foi publicado em mais de dez países e revela como a Técnica Chubbuck foi capaz de lançar e aperfeiçoar a carreira de grandes artistas. Brad Pitt, Jim Carrey, Charlize Theron, Eva Mendes, Catherine Keener, Halle Berry, Jared Leto, Jessica Alba, Gal Gadot, Jon Voight, Meg Ryan, Terrence Howard e Travis Fimmel são alguns que receberam prêmios após terem sido preparados por Ivana Chubbuck. Ivana fundamentou sua técnica nas tradições de ensino de atuação — que remontam a Constantin Stanislavski, Sanford Meisner e Uta Hagen...
Editora : Civilização Brasileira; 1ª edição (27 agosto 2018)
Idioma: : Português
Capa comum : 448 páginas
ISBN-10 : 9788520013663
ISBN-13 : 978-8520013663
Dimensões : 22 x 15.2 x 2.6 cm

Melhor preço cotado ⬇️

Leia trecho do livro

PARTE 1

Os 12 passos da técnica Chubbuck de atuação

Capítulo 1. Ferramenta nº 1: Objetivo geral
Capítulo 2. Ferramenta nº 2: Objetivo de cena
Capítulo 3. Ferramenta nº 3: Obstáculos
Capítulo 4. Ferramenta nº 4: Substituição
Capítulo 5. Ferramenta nº 5: Objetos internos
Capítulo 6. Ferramenta nº 6: Unidades e ações
Capítulo 7. Ferramenta nº 7: Momento anterior
Capítulo 8. Ferramenta nº 8: Lugar e quarta parede
Capítulo 9. Ferramenta nº 9: Atividades
Capítulo 10. Ferramenta nº 10: Monólogo interior
Capítulo 11. Ferramenta nº 11: Circunstâncias anteriores
Capítulo 12. Ferramenta nº 12: Deixe fluir

PARTE 2

Outras ferramentas e exercícios de atuação

Capítulo 13. Abuso de substâncias
Capítulo 14. Criando química sexual
Capítulo 15. Interpretando um assassino em série
Capítulo 16. Criando medo orgânico
Capítulo 17. Criando sensações orgânicas de morte
Capítulo 18. Experimentando a sensação de gravidez
Capítulo 19. Experimentando a paternidade e a maternidade
Capítulo 20. Interpretando um paraplégico ou tetraplégico
Capítulo 21. Criando realidades emocionais para cicatrizes e ferimentos
Capítulo 22. Realizando organicamente o trabalho, a profissão ou carreira da personagem

PARTE 3

A aplicação prática das 12 ferramentas

Capítulo 23. Análise do roteiro de Tio Vânia utilizando as 12 ferramentas
Capítulo 24. Aplicação prática: cenas com três ou mais pessoas

Introdução

Atuar é uma arte complexa e difícil de definir. No entanto, quase todo mundo consegue distinguir uma atuação boa de outra ruim, ou uma atuação boa de outra brilhante. O que faz um ator conseguir ser cativante em um determinado trabalho enquanto outro, fazendo o mesmo papel e dizendo as mesmas palavras, pode ser maçante e chato? Se isso dependesse apenas do roteiro, da beleza da linguagem, de uma construção habilidosa da frase, precisaríamos só ler. Mas as palavras não são apenas lidas com a frieza que estão impressas em uma folha de papel. Elas são interpretadas e preenchidas com o sopro de vida por meio dos atores.

Todo ator sabe que a descoberta e a compreensão dos seus sofrimentos íntimos constituem uma parte inerente à arte de atuação. Isso tem sido uma verdade desde Stanislavski. A diferença entre a Técnica Chubbuck e outras desenvolvidas no passado é que ensino atores a usarem suas emoções não como um resultado final, mas como um meio de potencializar o seu objetivo. A minha técnica ensina aos atores como vencer.

Se você olhar com atenção para praticamente todos os dramas e comédias –na verdade, para toda a literatura –, irá descobrir que o desejo de vencer é o único elemento em comum a todas as histórias, pois sempre há um personagem que deseja ou necessita de algo (seu objetivo) – amor, poder, aceitação, honra – e a história conta como esse personagem tenta conquistá-lo. Enquanto “o quê” e “como” os personagens tentam vencer podem ser compreendidos e representados de diversas formas, quando você esmiúça esses objetivos, descobre que os conflitos e esforços de cada personagem sempre se resumem a lutar para conquistar um objetivo, qualquer que ele seja.

Eu ensino aos atores vencer, porque é isso que as pessoas fazem na vida real! Elas vão atrás do que querem. Pessoas interessantes e dinâmicas perseguem seus objetivos de forma interessante e dinâmica, criando mais emoção e intensidade na realização dos seus objetivos. Elas fazem isso de forma inconsciente, enquanto o ator deve se conhecer profundamente e ter as ferramentas que possibilitem analisar um roteiro de modo a permitir que esses comportamentos interessantes e dinâmicos surjam como se fossem inconscientes. A Técnica Chubbuck estimula esse comportamento, permitindo que esse impulso humano natural e poderoso se realize.

A técnica Chubbuck surgiu da minha busca de tentar entender e superar meus próprios traumas pessoais – especialmente como eles impactaram minha atuação e minha vida. Eu não tinha ideia do quão profundo e poderoso esse conceito viria a ser.

Eu cresci com um pai distante, disfuncional e viciado em trabalho, e uma mãe física e psicologicamente abusiva. Desenvolvi profundos problemas de abandono e me sentia indigna de ser amada. Em suma, enfrentei o fato de ser diminuída. Quando me tornei adulta e atriz, juntei os horrores da minha infância e adolescência e imergi neles. Buscava empatia e compreensão, o que supunha que aliviaria o sofrimento do meu passado. E como qualquer ator daria tudo para conseguir, estava verdadeiramente em contato com a dor das minhas emoções.

No entanto, comecei a me questionar: “Qual é o propósito desses sentimentos? De que maneira os sentimentos e as emoções do meu passado influenciam meu trabalho como atriz? Como eles afetam quem sou como ser humano? Como reunir essas emoções difusas, fraturadas e, por vezes, divergentes, e colocá-las a serviço de uma personagem?”

Trabalhando como atriz, via muitos colegas trazendo à tona emoções profundas e dolorosas, mas cujo trabalho parecia ser autoindulgente. Percebi que ter sentimentos profundos não necessariamente me tornava uma pessoa profunda. Percebi que “adular” a dor, na vida e no palco, cria quase o efeito oposto ao desejado. Parece egocêntrico, autocomplacente e fraco – as principais características de uma vítima. Para um ator, não é a melhor opção.

Então comecei a investigar de que maneira eu poderia colocar o legado de emoções que havia herdado a serviço do meu trabalho.

Ao estudar a vida de pessoas bem-sucedidas, percebi que elas pareciam usar seus traumas físicos e emocionais como um estímulo, não para sofrer indulgentemente, mas para inspirar e impulsionar suas grandes conquistas.

Ocorreu-me que a mesma fórmula poderia ser aplicada aos atores e à sua abordagem de trabalho. Observei os grandes atores do nosso tempo e vi nas suas performances o mesmo impulso emocional para superar a adversidade; e, de fato, eles transformavam os obstáculos em uma necessidade de atingir seus objetivos e vencer. Nas suas performances, os grandes atores de maneira intuitiva espelhavam o comportamento e a natureza de grandes personalidades.

Eu tinha que criar um sistema que pudesse refletir e orientar este processo; um sistema que reproduzisse o comportamento humano de maneira real e dinâmica; um sistema que, uma vez que o ator se comprometesse a fazer suas escolhas sem medo, iria guiá-lo e encorajá-lo a usar sua dor pessoal para alcançar o objetivo da sua personagem; um sistema que também proporcionaria escolhas técnicas arriscadas que permitiriam ao ator quebrar as regras e criar novas regras, inspirando trabalho e personagens excepcionais; um sistema que criaria uma personagem emocionalmente heroica em vez de uma vítima.

Eu percebi que um ator deve identificar a necessidade principal da sua personagem, sua meta ou objetivo. Com esse objetivo em mente, o ator deve encontrar a dor pessoal certa que poderá efetivamente impulsioná-lo a alcançar esse objetivo. Depois de trabalhar essa ideia por um tempo, entendi que a dor deve ser poderosa o suficiente para inspirar um ator a comprometer-se sem medo a fazer o que for necessário para conquistar esse objetivo. Se as emoções não forem fortes o suficiente, então o ator não estará suficientemente preenchido para sustentar sua luta e vencer. No entanto, quando a dor pessoal certa está de acordo com um objetivo, ela conecta o ator ao dilema da personagem, fazendo com que conquistar o objetivo seja, ao mesmo tempo, algo real e imprescindível para ele no âmbito pessoal, não apenas como ator interpretando um papel. Com esta nova abordagem, nasceu minha técnica inovadora.

Comecei a aprimorar esta teoria de superação da própria dor para elevar uma performance ao patamar de uma técnica. Tive que descobrir como ajudar os atores a encontrarem um caminho para personalizar de forma psicológica o desejo de vencer das personagens.

Depois que comecei a aplicar esses conceitos, o processo me enriqueceu tanto que literalmente apoderou-se da minha vida. Passei a dedicar sete dias por semana, várias horas por dia, para ensinar esses conceitos. Como eu ensinava e preparava, em sua maioria, atores profissionais, a notícia logo se espalhou pela comunidade artística, e abri um estúdio. Em pouco tempo, havia uma longa lista de espera. Nunca publiquei anúncios e me recusei a divulgar o estúdio ou a ter minha escola listada em publicações para atores. Não tinha sequer um site. Na verdade, por muitos anos o número de telefone da escola não foi divulgado. Eu não estava sendo esnobe ou arrogante, apenas supunha que se um ator realmente quisesse me encontrar, conseguiria. Muitos se esforçaram para assistir às minhas aulas. Às vezes, levavam meses só para obter o telefone do estúdio. Como consequência, atraí aqueles que estavam de fato interessados na profissão, fossem escritores, diretores ou atores. Acredito com sinceridade que a qualidade dos meus alunos, na maioria atores profissionais comprometidos com a própria arte, tem contribuído para elevar e melhorar a qualidade da minha técnica.

Durante os últimos vinte anos, tenho preparado milhares de atores para milhares de papéis de milhares de filmes, programas de televisão e peças de teatro. Esses atores são um laboratório vivo (e atuante) de pesquisa para minha técnica. Com frequência preparo vários atores para participar de testes para o mesmo papel em um filme. Tenho visto de perto o que funciona e o que não funciona. Com o tempo, identifiquei os denominadores comuns mais eficazes. Quando eu via certas abordagens terem sucesso repetidas vezes, eu as desenvolvia, estudava e refinava para torná-las facilmente reproduzíveis. Quando meus atores ganhavam papéis, recebiam excelentes críticas ou prêmios, descobri que isso, em geral, vinha do uso de ferramentas fundamentais semelhantes, todas originadas da psicologia humana básica e da ciência comportamental.

Outro padrão que tenho observado ao longo dos anos é que minha técnica de atuação tende a fazer parte da vida pessoal do ator. Usar de maneira efetiva a adversidade como uma forma de superá-la e de vencer é tão inspirador e eficaz que muitos dos meus atores incorporaram inconscientemente esse modo de ser na própria vida, tornando-se mais realizados e empoderados. Eles tiram a vitimização da sua vida, tal como fazem com uma personagem.

O que importa para você como ator, diretor, roteirista ou até mesmo como leigo que queira aprender a utilizar seu sofrimento para alcançar um objetivo é que minha técnica aprofunda muito a performance e muda sua vida.

Este livro dará a você a metodologia exata da Técnica Chubbuck, que é basicamente um sistema prático e rigoroso de análise de um roteiro passo a passo. Um sistema de análise de roteiro que ajudará você a acessar as suas emoções e mostrará uma maneira de não apenas senti-las, mas usá-las com magnitude e poder. O poder do ator mostra como se apropriar dos seus conflitos, desafios e sofrimentos e transformá-los em algo positivo, do seu ponto de vista e do da personagem que você está interpretando.

Ao longo da minha carreira como professora, recebi inúmeros cartões, bilhetes e cartas de alunos manifestando sua gratidão pela técnica, a qual parece sempre mudar a vida e a carreira de atores, escritores e diretores. Que este livro seja meu modo de dizer “obrigada”, pois tenho aprendido tanto com meus alunos – com quem eles são e com suas experiências de vida diversas – quanto eles têm aprendido comigo, ou até mais .

PARTE 1

Um ator que apenas sente emoções tende a tornar sua performance introspectiva, não transmite energia e não inspira a si nem ao público, ao passo que assistir a alguém que faz tudo e qualquer coisa para dominar a dor e, assim, atingir uma meta ou objetivo prende a atenção do público, porque o resultado é uma atuação viva e imprevisível. Tomar atitudes resulta em riscos e, portanto, em uma jornada inesperada. Não basta que o ator seja sincero. Seu trabalho é fazer certas escolhas que gerem resultados emocionantes. É possível pintar uma tela com tinta a óleo, mas se a pintura final não for uma imagem atraente, ninguém irá olhar para ela.

Esta técnica irá ensiná-lo a usar seus traumas, suas dores emocionais, obsessões, caricaturas, necessidades, seus desejos e sonhos para alimentar e guiar a personagem na direção do seu objetivo. Você irá aprender que os obstáculos da vida da sua personagem não estão lá para serem aceitos, mas para serem superados de forma heroica. Em outras palavras, minha técnica ensina aos atores vencer.

Há mais de dois mil anos, Aristóteles definiu a essência de todo drama como o esforço do indivíduo para vencer. Superar e vencer todos os obstáculos e conflitos da vida é o que torna as pessoas dinâmicas. Martin Luther King Jr., Stephen Hawking, Susan B. Anthony, Virginia Woolf, Albert Einstein, Beethoven, Madre Teresa e Nelson Mandela tiveram que derrotar obstáculos quase intransponíveis para atingir seu objetivo. Na verdade, quanto maior o obstáculo e mais paixão essas pessoas tiveram para superá-los, mais profunda é a conquista ou a contribuição que realizaram. Elas não se tornaram pessoas extraordinárias e realizadas apesar dos seus desafios, mas por causa deles. Essas são as qualidades que queremos reproduzir na criação de uma personagem. É muito mais atraente observar alguém que se esforça para vencer, apesar de todas as adversidades, do que alguém que cede às dificuldades da vida. Um vencedor não precisa necessariamente vencer para ser um vencedor – um vencedor tenta vencer, um perdedor aceita a derrota.

Quanto mais você se conhecer, melhor ator será. Você deve entender o que o motiva de forma profunda e intensa. As 12 ferramentas de atuação a seguir irão ajudá-lo a mergulhar na sua psique, permitindo que descubra coisas sobre si e encontre um modo de expor e canalizar todos esses demônios maravilhosos que todos nós temos. Seu lado obscuro, seus traumas, suas crenças, prioridades, seus medos, o que satisfaz seu ego, o que o envergonha e o que o faz sentir-se orgulhoso são suas cores, suas tintas para desenhar como um ator.

As 12 ferramentas:

1. objetivo geral: o que sua personagem quer da vida, acima de tudo? Encontrar o que sua personagem quer por meio do roteiro.

2. objetivo de cena: o que sua personagem quer ao longo de uma cena, que dá suporte ao seu objetivo geral?

3. obstáculos: determinar os obstáculos físicos, emocionais e mentais que dificultam que sua personagem alcance o objetivo geral e o objetivo de cena.

4. substituição: dotar o ator com quem você contracena com características de alguém da sua vida pessoal que faça sentido para o seu objetivo geral e objetivo de cena. Por exemplo, se o objetivo de cena da sua personagem é fazer você me amar, então encontre alguém da sua vida, no presente, que de fato faça você precisar desse amor – de forma completa, urgente e desesperada. Dessa maneira, você tem todas as diversas camadas que a necessidade real de uma pessoa real despertam em você.

5. objetos internos: as imagens que passam na sua mente quando você fala ou ouve falar de pessoas, lugares, coisas ou acontecimentos.

6. unidades e ações: um pensamento é uma unidade. Sempre que há uma mudança de pensamento, há uma mudança de unidade. ações são pequenos objetivos ligados a cada unidade que apoiam o objetivo de cena e, portanto, o objetivo geral.

7. momento anterior: o que ocorre antes de você iniciar uma cena (ou antes de o diretor gritar “Ação!”), que lhe mostra um lugar de onde partir, tanto física quanto psicologicamente.

8. lugar é quarta parede: usar o lugar e a quarta parede significa que você dota a realidade física da sua personagem – a qual, na maioria dos casos, acontece em um palco, estúdio, set de filmagem, sala de aula ou em uma locação – com atributos de um lugar da sua vida real. Usar o lugar e a quarta parede cria a sensação de privacidade, intimidade, história, significado, segurança e realidade. O lugar e a quarta parede devem apoiar e fazer sentido com as escolhas que você fez para as outras ferramentas.

9. atividades: manipulação de objetos do cenário, que produz um comportamento. Escovar o cabelo enquanto fala, amarrar os sapatos, beber, comer, usar uma faca para cortar etc., são exemplos de atividades.

10. monólogo interior: o diálogo que se passa na sua mente, que você não diz em voz alta.

11. circunstâncias anteriores: o histórico da sua personagem. O acúmulo de experiências que determina por que e como ela age no mundo. É personalizando as circunstâncias anteriores da personagem às suas próprias que você pode, de maneira verdadeira e com profundidade, entender o comportamento da personagem e viver o papel.

12. deixe fluir: embora a Técnica Chubbuck recorra ao intelecto do ator, não se trata de um jogo de exercícios intelectuais. Esta técnica é o caminho para criar um comportamento humano tão real que produza a aspereza e a crueza de realmente viver um papel. Para reproduzir o fluxo natural da vida e ser espontâneo, você deve parar de pensar muito. Para isso, precisa confiar no trabalho feito com as 11 ferramentas anteriores e deixar fluir.

Essas 12 ferramentas criam uma base sólida que irá manter você no momento presente e inspirar uma atuação forte, profunda, dinâmica e poderosa.

O trabalho que desenvolvi com Halle Berry no filme A última ceia é um bom exemplo de como a minha técnica funciona. Pegando uma cena central como exemplo, darei uma ideia de como utilizamos alguns elementos da minha técnica. Nesta cena, mostrarei como usamos apenas algumas das ferramentas de atuação do meu sistema de análise de roteiro. Tenha em mente que utilizamos todos os 12 passos na interpretação final, mas analisar cada cena adotando as 12 ferramentas daria por si só um livro. Então aqui vai uma amostra do uso de algumas das ferramentas, para ilustrar o quão eficaz a técnica pode ser.

A última ceia é uma história bastante comovente, e Leticia, a personagem de Halle, é uma mulher trágica. Tivemos que encontrar uma maneira de impedir que Halle, como Leticia, fosse uma vítima das circunstâncias e se tornasse, assim, resignada ao acúmulo de tragédias da vida da sua personagem. No filme, o sofrimento começa quando Leticia leva o filho obeso para visitar o pai pela última vez. Seu marido estava no corredor da morte, prestes a ser executado. Logo após a morte do marido, seu filho morre atropelado, e então Leticia é demitida do emprego e despejada de casa. À medida que a história se desenrola, ela descobre que seu novo namorado – e única esperança – tem um pai bastante racista. Como se tudo isso não bastasse, no final do filme Leticia fica sabendo que o namorado participou da morte do seu marido e nunca lhe contou. Leticia fica furiosa e destruída.

Como fazer com que Halle absorvesse esses acontecimentos sem desistir? Quais das suas experiências pessoais poderiam relacionar-se com as da personagem? Como dar um toque otimista para essa história tão opressiva, e assim permitir que, no final, a personagem fosse vitoriosa? Quando alguém desiste de lutar e se rende, a história acaba e deixa o público insatisfeito. Nós aplicamos as 12 ferramentas, começando por determinar qual era o objetivo geral da personagem. Em seguida, encontramos um sofrimento da própria Halle que, de maneira emocional, se conectava ao de Leticia, e propusemo-nos a superá-lo por meio da interpretação.

Cena da traição

Ilustrando o uso do objetivo geral (Ferramenta nº 1), objetivo de cena (Ferramenta nº 2) e MONÓLOGO INTERIOR (Ferramenta nº 10).

•  A cena: a traição acontece quando Leticia descobre que Hank participou da execução do seu marido e nunca lhe contou.
•  objetivo geral de Leticia: ser amada e cuidada.

Com tudo o que Leticia viveu no passado e no presente, o que ela mais precisa é sentir que está amparada e segura ao ser amada e cuidada. O objetivo de cena deve apoiar o objetivo geral para que se completem o arco do roteiro e a jornada para o ator, a personagem e o público. Esta é a última cena do filme, então ela deve resolver sua jornada, vencendo seus obstáculos, alcançando e conquistando seu objetivo geral. Para que isso aconteça, seu objetivo de cena não pode ser focado na traição, mas, sim, em como ela consegue o que quer; ou seja, ser amada. Então:

•  objetivo de cena de Leticia: fazer você me amar.

A cena final de A última ceia começa com Leticia descobrindo um desenho do seu namorado, Hank, feito pelo seu marido, entre os pertences daquele. Isso indica que Hank conheceu seu marido, provavelmente quando ele estava no corredor da morte, e nunca disse nada a ela. O diretor Marc Forster tinha a intenção de deixar o final da história em aberto, nada muito clichê. Algo que faria o público imaginar se Leticia iria matar Hank, cometer suicídio ou matar ambos. Embora filmes de arte e independentes muitas vezes tenham finais sombrios, minha opinião é de que todas as pessoas, inclusive as que gostam desse estilo, querem sentir esperança (a vitória) no final do filme. Em outras palavras, proporcionar aos espectadores uma experiência que lhes permita esperar que suas tragédias pessoais tenham uma resolução positiva, assim como teve a de Leticia. Nós não podíamos alterar o roteiro, que não indicava um final feliz, então a responsabilidade de incutir esperança e outras possíveis resoluções dependia da interpretação de Halle.

A omissão de Hank é uma enorme traição e outra decepção para aumentar a longa lista de Leticia. Para ela, essa é a gota d’água. Leticia fica furiosa. Ficamos imaginando se ela escolheria o assassinato, o assassinato e o suicídio ou apenas o suicídio (seguindo a ideia do diretor). Por meio do
MONÓLOGO INTERIOR, que apoia o objetivo de cena fazer você me amar (em vez de eu preciso sentir raiva e desespero – quem na sua sanidade iria querer isso?), mudamos o final sem modificar a visão do diretor.

Para descobrir o MONÓLOGO INTERIOR, tínhamos que personalizar a dolorosa descoberta de Leticia, e isso ajudou Halle a desenvolver uma raiva intensa. No filme, a ira no seu rosto diz: “Como ele pôde fazer isso comigo?!” Para que o MONÓLOGO INTERIOR roduzisse essa transição da raiva para a esperança, Halle e eu conversamos sobre o instinto de sobrevivência de Leticia. Nessa cena, ela deve lutar para que o amor de Hank seja verdadeiro, senão ela morrerá. Leticia poderia ver sua descoberta como uma vil traição, o que significa que ela iria sofrer uma morte emocional, ou até mesmo uma morte física. Devido à sua necessidade de ser amada por Hank, ela é forçada a achar uma maneira de ver a mentira sob um ângulo diferente. É possível que a motivação de Hank para mentir não fosse um ato de enganação, mas em vez disso uma ação que expressasse um sacrifício supremo de amor. Leticia poderia racionalizar o comportamento de Hank, pensando: “Ele pode me amar tanto que teve medo de me contar e de me perder se eu descobrisse. Ele estava disposto a viver e ser oprimido pela culpa do seu segredo por causa do profundo amor que sente por mim. Ele achava que não podia viv ver sem mim, então não fez isso para me enganar, mas por amor…” Então, sem que essas palavras fossem ditas, usando apenas o MONÓLOGO INTERIOR , o público foi capaz de ver com clareza o que ela estava pensando e sentindo. O arco que foi criado pelo seu MONÓLOGO INTERIOR começou da seguinte forma:

•  A surpresa da descoberta…
•  Que se transformou em uma fúria assassina…
•  Que se transformou em sofrimento e confusão…
•  Que se transformou na necessidade de sobrevivência para encontrar uma maneira de mudar o horror da sua descoberta…
•  Para então encontrar uma solução ao ver a traição como algo positivo… o que permitiu que ela se sentisse, de forma incondicional, amada (um sentimento que ela nunca havia tido).

Tudo isso é demonstrado pelo comportamento e pelas expressões faciais da Halle. No filme, ela processa tudo isso antes de Hank voltar. Então, quando ele chega em casa e oferece a ela uma colher de sorvete na varanda, ela é capaz de olhá-lo com amor e dizer no seu MONÓLOGO INTERIOR: “Depois de tudo o que sofri na minha vida, seu amor vai melhorar as coisas. Vou ficar bem.”

Espero que essa história específica do meu trabalho com a Halle em A última ceia tenha proporcionado a você um claro entendimento da técnica. Do mesmo modo, ao longo dos anos que venho ensinando, percebi que usar relatos de casos do meu trabalho com vários atores tem sido de grande ajuda para a compreensão de uma ferramenta ou de um aspecto específico da técnica. Nas explicações das 12 ferramentas a seguir, farei o mesmo: utilizando um grande número de histórias – de atores que ganharam o Oscar, atores de televisão, teatro e novela, até os promissores atores da minha escola.

CAPÍTULO 1

Ferramenta nº 1:
Objetivo geral

Aquilo que a personagem deseja ao longo de todo o roteiro.

O OBJETIVO GERAL é a ferramenta que dá ao roteiro início, meio e fim. Ele define o percurso tanto para o ator quanto para o público. Todas as outras ferramentas devem servir e dar suporte ao OBJETIVO GERAL.

Se você quer ser um ator vivaz e poderoso, deve reproduzir o verdadeiro comportamento de pessoas dinâmicas e poderosas. E essas pessoas poderosas sempre são, de uma forma ou de outra, orientadas por metas. Muitos atores caem na armadilha de acreditar que se comportar de forma real ou ter emoções reais é atuar – não é. Muitos atores estão convencidos de que, se chorarem de verdade durante uma atuação, terão representado bem o papel. Mas é a maneira como você usa as emoções para atingir seu propósito que torna a arte de atuar estimulante, tanto para o ator quanto para os espectadores. Sem o propósito de um objetivo, sem o esforço para tentar vencer, um ator puramente emocional será uma vítima das circunstâncias do roteiro, e ninguém gosta de assistir a uma vítima se vitimizar. Nós queremos assistir a uma pessoa mudar a sua vida, não aceitar abusos.

Um ator deve aprender a usar suas emoções não como um resultado final, mas como uma ferramenta que lhe proporcione a paixão necessária para superar o conflito do roteiro.

Além de fornecer ao ator e ao espectador algo pelo que torcer e uma jornada para embarcar, o OBJETIVO GERAL também incute senso de urgência à ação. Sabemos que o tempo voa quando estamos ocupados tentando realizar algo. Como o ator persegue sua meta no presente e com grande paixão, isso comprime a noção de tempo tanto do ator quanto do público, fazendo o tempo passar mais rápido e tornando tudo mais empolgante, uma experiência na qual qualquer coisa pode acontecer. Quanto melhor for o ator em acessar as próprias experiências de vida para criar a paixão e a urgência necessárias aos propósitos de um roteiro, mais elevada será a sua arte.

Pergunte-se: O que meu personagem quer da vida? Qual é a sua maior meta? Este é o OBJETIVO GERAL.

Quer aconteça em tempo real ou no decorrer de vinte anos, o objetivo geral é a principal necessidade que move a personagem. Seu objetivo geral deve sempre ser uma necessidade humana básica, algum propósito primitivo como: quero encontrar o amor verdadeiro, quero poder ou preciso ser validado.

Todas as ferramentas subsequentes existem para dar suporte à jornada (seu
OBJETIVO GERAL) e para torná-la mais crucial, detalhada, profunda, significativa e verdadeira. O instinto humano de sobrevivência nos leva a ter metas. Nossa vida emocional é apenas a consequência de tê-las atingido ou não. Digamos que o OBJETIVO GERAL é ser amado. Se você conquistar sua meta (OBJETIVO GERAL), ficará feliz; caso contrário, ficará triste e com raiva.

As emoções são uma reação a uma ação, não o contrário.

Encontrar de início seu OBJETIVO GERAL impede que você tenha que reabastecer suas emoções antes de começar a atuar, e também permite que a emoção surja de modo mais natural e humano. É muito mais simples do que passar uma hora antes de atuar evocando lembranças terríveis e tentando mantê-las frescas na memória. Se você estiver tentando buscar emoções provenientes de um momento desconexo da sua vida, o resultado será um vômito emocional. E, como na vida real, o vômito é tão desagradável para quem sofre como para quem o vê: vira uma explosão emocional que não leva a lugar algum.

Mais importante ainda, ir de cena em cena buscando conquistar seu OBJETIVO GERAL cria um comportamento real em todas elas. À medida que você luta para sua personagem superar cada obstáculo, a fim de atingir seu objetivo geral, um comportamento real e único irá por instinto emergir na sua jornada para alcançá-lo. Ao se concentrar apenas em conquistar seu objetivo, você deixa de prestar atenção na atuação, e naturalmente manifesta suas peculiaridades e maneirismos únicos. É esse tipo de comportamento real que gera tensão no momento presente e faz com que o público fique sem fôlego e torça pela sua personagem. Os espectadores podem ver o OBJETIVO GERAL físico e emocional ser resolvido diante dos seus olhos e se relacionar com ele como se fosse a resolução das suas próprias questões. As pessoas ficarão mais dispostas a apoiar alguém se sentirem que sua luta é idêntica às suas.

Há muitos anos, Catherine Keener estava estudando comigo. Ela tem uma vida emocional riquíssima que pode servir-lhe de inspiração; no entanto, naquele momento, ela usava suas emoções sem a motivação e os benefícios de um objetivo geral. Em aula, semana após semana, cena após cena, ela apresentava performances construídas com emoção. Eu e seus colegas de aula podíamos ver sua dor, mas não nos comovíamos. Nós, como público, não compreendíamos seus sentimentos, porque todas essas emoções, maravilhosas, profundas e acessíveis não estavam ligadas a uma razão, à necessidade de atingir um objetivo. Catherine achava que seguir um objetivo sem restrições acabaria transformando a sua personagem em um ser manipulador e antipático. Mas vejo a manipulação como um grande esforço consciente para conseguir o que se quer. O uso da manipulação para atingir um OBJETIVO GERAL importante torna a personagem eficaz, e pessoas eficazes são sempre muito atraentes. Pense, por exemplo, em Elizabeth Taylor em Quem tem medo de Virginia Woolf?, ou em Kevin Spacey em Os suspeitos. Eu disse a ela: “Assim que você perceber que não há nada de errado em usar a manipulação no seu trabalho, é aí que passará a ser de fato reconhecida por ele.” Naquela época, Catherine tinha uma carreira sólida, mas sem reconhecimento público.

Por fim, foi interpretando o papel da sensual e intensamente manipuladora Maxine no filme Quero ser John Malkovich que fez o público e a crítica notarem seu trabalho. A personagem de Catherine estava imbuída de um sentimento tão calculista de desejo e vitória que ela teve que abraçar o
OBJETIVO GERAL da sua personagem e uma atitude de “eu não ligo para mais nada a não ser conseguir o que quero”. E a preocupação de Catherine de que perseguir um objetivo sem medir as consequências faria o público odiá-la era sem fundamento. Na verdade, gerou o efeito contrário. O público não se importou que Maxine fosse uma cobra, já que ela tinha um motivo justificável para ir com obstinação em busca do seu objetivo, um motivo com o qual podiam identificar-se: recuperar o poder da minha vida. Os espectadores se identificaram com seu desejo, e torceram por ela pela sua determinação de fazer qualquer coisa, de se rebaixar ao máximo, de escalar com unhas e dentes apenas para recuperar seu poder, porque estava claro que a sua necessidade de ter poder no presente era uma reação por terem-na feito se sentir impotente no passado. E por Catherine ter tomado a decisão de alcançar o OBJETIVO GERAL de Maxine, ela foi capaz de personificá-la e de se comportar de acordo com a personagem. Assim, pela primeira vez na sua carreira, ela foi indicada ao Oscar, ao Globo de Ouro, e ganhou o Film Independent Spirit Awards de melhor atriz. Mas, para além dos prêmios, ela aprendeu o quão importante é seguir um OBJETIVO GERAL, e isso mudou sua carreira.

Para um ator, o OBJETIVO GERAL preenche aspectos da trama e dá um caminho viável, cheio de riscos interessantes, para personalizar o papel. O
OBJETIVO GERAL em essência constrói um percurso para o ator e para o público. No começo de uma peça ou de um filme, a personagem e o ator começam em A, no nível zero. É aí que precisam definir o objetivo a ser alcançado. O restante da peça ou do filme mostra como a personagem faz para atingir esse objetivo e chegar a Z.

O roteiro informa o material bruto a ser analisado, fornecendo a informação específica que leva a personagem a fazer o que tem que ser feito. Isso inclui o contexto socioeconômico da personagem; o histórico de acontecimentos traumáticos; o lugar geográfico onde a personagem nasceu e foi criada; a época; o histórico de sucessos e derrotas pessoais e profissionais da personagem; seus sonhos; o modus operandi da personagem; como ela se vê; e como é vista pelas outras personagens. Depois, o ator personaliza esses elementos, reproduzindo-os a partir da sua própria vida. Isso irá gerar com naturalidade comportamentos e padrões de fala idiossincráticos.

O OBJETIVO GERAL da personagem deve ser formulado de modo a estabelecer uma necessária mudança de vida para a sobrevivência física e/ou emocional.

Essas são questões humanas universais que podem guiar toda a jornada de uma personagem em um roteiro, quer aconteça no curso de um dia ou de uma vida inteira. Bons OBJETIVOS GERAIS que incluem necessidades humanas básicas são:

•  Encontrar amor.
•  Recuperar o amor de um ex.
•  Ter poder.
•  Ter sucesso profissional.
•  Ser amado de forma incondicional.
•  Ser validado.
•  Ter filhos.
•  Manter-se vivo (sobreviver).
•  Casar-se.
•  Ser amado pela mãe ou pelo pai.
•  Proteger um ente querido e mantê-lo vivo.

O OBJETIBO GERAL não deve ser confundido com a trama. George Bernard Shaw dizia que não existem tramas novas, apenas formas novas de pessoas negociarem e criarem relacionamentos. Considerando que cada pessoa é única, a maneira como negocia e cria relações também será singular e especial. Como a sua personagem faz para alcançar seu objetivo geral, que é baseado em uma necessidade humana primordial, é a jornada:

Não precisamos que a interpretação de um ator apresente a trama. O roteiro já nos dá isso.

Você deve sempre ter em mente que o público vai ao teatro, ao cinema ou assiste à televisão para ver como as relações humanas se desenvolvem. Não importa se a trama nos transporta para o inexistente planeta Nebulosa, para uma batalha da Segunda Guerra Mundial ou se conta uma história de baratas gigantes causando um caos de sujeira: o público sempre se identifica com o fator humano de pessoas tentando estabelecer, construir ou ajustar um relacionamento, não importando em que lugar ou situação a história aconteça.

No filme Por um triz, Eva Mendes interpretou o papel de uma policial chamada Alex Whitlock, que trabalhava junto com seu parceiro policial e ex-marido, Matt Whitlock, interpretado por Denzel Washington, em um caso de homicídio. À medida que investiga o assassinato, parece cada vez mais que a personagem de Denzel cometeu o crime. A história termina com a revelação de que ele havia sido incriminado, e o casal se reconcilia.

Eva poderia ter trabalhado com o OBJETIVO GERAL da trama: solucionar o crime. Mas isso seria seco, frio e sem paixão, e estaria faltando algo com que o público de fato se importasse: uma relação humana. Então, em vez disso, Eva e eu abordamos sua personagem usando o OBJETIVO GERAL de trazer Matt de volta e fazer com que ele volte a me amar. Isso tornou necessário que ela resolvesse o caso por duas razões: primeiro, ela precisava impressioná-lo com sua grande habilidade de policial; segundo, desconsiderando suas suspeitas de que ele talvez fosse culpado, ela precisava ajudá-lo a limpar seu nome. Esse OBJETIVO GERAL tornou a personagem de Eva indispensável na vida dele – tanto em caráter pessoal quanto profissional. Assim, ela ganha o direito de tê-lo de volta na sua vida, não apenas desejando isso, mas tomando atitudes viáveis para consegui-lo. Isso também despertou mais reações emocionais na mulher, porque a cada pequena mudança que acontecia na história tornava-se mais difícil para ela superar e cumprir seu OBJETIVO GERAL de tê-lo de volta. É assim que as complexidades e nuances da trama são inseridas na atuação. Ela deve enfrentar todas as voltas e reviravoltas da história e ainda ser capaz de alcançar seu OBJETIVO GERAL. Essas complexidades só podem emergir se o OBJETIVO GERAL for guiado por uma necessidade humana simples e básica. Isso permite que o ator não deixe a experiência ser um processo racional, intelectual, mas, ao contrário, que a transforme em uma experiência corporal.


O OBJETIVO GERAL deve ser simples, básico e ativo.

Manter um OBJETIVO GERAL simples e humano também cria uma arena na qual o ator pode parar de atuar e estar em cena de verdade. O erro mais comum que as pessoas cometem é de tornar o OBJETIVO GERAL complicado demais e, portanto, difícil demais de ser representado.

Quando eu estava preparando Jessica Biel para estrelar o papel principal da nova versão de O massacre da serra elétrica, encontramos esse problema. Teria sido fácil escolher como OBJETIVO GERAL da personagem: quero ficar longe desse maluco e evitar minha morte e a dos meus amigos, porque o assassino está fora de controle e sedento de sangue e nós somos apenas um grupo de jovens, e eu também estou grávida e meu namorado não sabe… É difícil atuar com um objetivo tão complicado e guiado pela trama. Para simplificar, estipulamos como OBJETIVO GERAL: proteger meu filho ainda por nascer. Isso permitiu que Jessica tivesse um desejo imperativo de sobrevivência, pois se ela morresse seu bebê também morreria. Também permitiu que ela atuasse em uma perspectiva desesperada, hiperalerta e primitiva (nada é mais primitivo do que proteger seu filho que ainda não nasceu). Esse OBJETIVO GERAL também criou mais tensão e veracidade no seu relacionamento com os outros, em especial com seu namorado, pois ela achava que não podia revelar a gravidez até sentir que o bebê estaria emocionalmente seguro nas mãos dos seus amigos e do pai da criança. Um
OBJETIVO GERAL simples permitiu-lhe mais dimensões no que teria sido, de outro modo, uma história de terror piegas.

Durante a edição final desta nova versão, cortaram todas as referências de gravidez da personagem de Jessica. Mas, embora ela não estivesse grávida na versão que chegou ao público, usar o OBJETIVO GERAL de proteger seu filho ainda não nascido deu à performance de Jessica uma urgência primitiva de sobrevivência e de salvar as pessoas que estavam à sua volta. Não importava que os espectadores não soubessem da sua gravidez, porque interpretamos suas atitudes como uma necessidade extrema de proteger seus amigos e sobreviver. Como consequência, sua atuação, que poderia ter sido vista como uma performance genérica de filme de terror, foi, na verdade, precursora, e Jessica recebeu o tipo de ofertas de filmes (e de salários) que jamais havia recebido.

Publicidade

Marcações: ,