Livro ‘Asiáticos Podres de Ricos’ por Kevin Kwan

Baixar PDF 'Asiáticos Podres de Ricos' por Kevin Kwan
Best-seller internacional que inspirou uma das mais aguardadas adaptações cinematográficas do ano. Quando Rachel Chu chega a Cingapura com o namorado para o casamento de seu melhor amigo, imaginava passar dias tranquilos com uma simpática família. Só que Nick não mencionou alguns detalhes, como o fato de sua família ter muito, muito dinheiro, que ela viajaria mais em jatinhos particulares do que de carro e que caminhar de mãos dadas com um dos solteiros mais ricos da Ásia era como ter um alvo nas costas. Logo, Rachel percebe que não será poupada das fofocas e intrigas. Isso sem falar na mãe de Nick, uma mulher com opiniões bem fortes sobre com quem o filho deve – ou não – se casar...
Editora: Record; 2ª edição (21 maio 2018)  Páginas: 490 páginas  ISBN-10: 8501113468  ISBN-13: 978-8501113467  ASIN: B079WG74CH

Clique na imagem para ler o livro

Sobre o Autor: Kevin Kwan nasceu em Cingapura, onde passou a infância e a adolescência. Atualmente mora em Manhattan, nos Estados Unidos. Namorada podre de rica, sequência de Asiáticos podres de ricos, também fez muito sucesso no mundo inteiro

Leia trecho do livro

Para os meus pais

Notas

1 É isso que acontece quando você faz uma plástica no rosto na Argentina.

2 M.C. é abreviação de Mom Chao, título reservado aos netos do rei Rama V, da Tailândia (1853–1910), classe mais jovem que ainda é considerada pertencente à nobreza. Em inglês, poderia ser traduzido como “Sua Alteza Serena”. Assim como muitos integrantes da família real tailandesa, passam uma parte do ano na Suíça, onde o golfe e o trânsito são melhores.

3 M.R. é a abreviação de Mom Rajawongse, título dos filhos de um Mom Chao do sexo masculino. Em inglês, poderia ser traduzido como “O Honorável”. Os três filhos de Catherine Young com o príncipe Taksin se casaram com mulheres da nobreza tailandesa. Uma vez que os nomes dessas mulheres são impressionantemente compridos, impronunciáveis para quem não fala tailandês e, além de tudo, irrelevantes para esta história, foram omitidos.

4 Planeja fugir para Manila com sua babá, a fim de competir no Campeonato Mundial de Karaokê.

5 É famosa por espalhar fofocas com mais rapidez do que o noticiário da BBC.

6 Porém teve pelo menos um filho ilegítimo com uma mulher malaia (que agora mora em um condomínio de luxo em Beverly Hills).

7 Atriz de novela de Hong Kong que, segundo alguns boatos, é a garota de peruca vermelha em O tigrão pega no dragão II.

8 Mas, infelizmente, guarda mais semelhança com o lado de sua mãe, os Chows.

9 Vendeu suas propriedades de Cingapura nos anos 1980 por vários milhões e se mudou para o Havaí, mas lamenta o tempo todo, dizendo que hoje seria um bilionário “caso tivesse esperado só mais alguns anos”.

Prólogo: Os primos

LONDRES, 1986

Nicholas Young afundou o corpo na poltrona mais próxima no saguão do hotel, sentindo-se exausto depois do voo de 16 horas que partiu de Cingapura, seguido do trajeto de metrô desde o Heathrow e da difícil caminhada pelas ruas alagadas. Sua prima Astrid Leong tremia estoicamente ao seu lado. Tudo porque a mãe dela, Felicity, a dai gu cheh (ou “grande tia”, em cantonês) de Nick, disse que era um pecado pegar um táxi para percorrer apenas nove quarteirões, obrigando todo mundo a fazer o caminho do metrô da Estação de Piccadilly até o hotel a pé.

Qualquer um que, por acaso, estivesse assistindo a essa cena provavelmente notaria apenas um garotinho de 8 anos excepcionalmente educado e um fiapo de menina sentados em silêncio num canto, mas a única coisa que Reginald Ormsby via de onde estava, no balcão elevado da gerência do hotel, eram duas criancinhas chinesas manchando o tecido de damasco das poltronas com seus casacos encharcados. E, a partir daí, a situação só piorou. Três mulheres chinesas se secavam freneticamente com lenços de papel, ao lado das crianças, enquanto uma adolescente vinha arrastando os pés como um louco pelo piso de mármore axadrezado em preto e branco, deixando rastros de lama com seus tênis.

Ormsby desceu correndo as escadas do mezanino, sabendo que seria capaz de despachar aqueles estrangeiros com mais eficiência do que qualquer um de seus funcionários que trabalhavam na recepção.

— Boa noite. Sou o gerente do hotel. Em que posso ajudá-los? — disse ele bem devagar, exagerando na pronúncia de cada palavra.

— Ah, sim. Boa noite. Nós temos uma reserva — respondeu a mulher, num inglês perfeito. Ormsby olhou para ela, surpreso.

— Em nome de quem? 

— Eleanor Young e família.

Ormsby congelou: reconheceu o nome, principalmente porque a família Young haviar reservado a Suíte Lancaster. Mas quem poderia imaginar que a tal “Eleanor Young” seria chinesa? E como, afinal, ela fora parar ali? Talvez o Dorchester ou o Ritz tivessem aceitado — quem sabe? — gente daquela natureza, mas esse era o Calthorpe, propriedade dos Calthorpe-Cavendish-Gores desde o reinado de George IV e, para todos os propósitos e efeitos, o lugar era administrado como um clube particular para famílias que apareciam na Debrett’s ou Anolmanach de Gotha. Ormsby analisou as mulheres em desalinho e aquelas crianças encharcadas. A marquesa de Uckfield estava hospedada no hotel para passar o fim de semana, e ele não podia nem imaginar o que a elegante mulher pensaria quando toda aquela gente aparecesse para tomar o café da manhã no dia seguinte. Então, tomou uma rápida decisão.

— Lamento muitíssimo, mas não estou localizando nenhuma reserva com esse nome. 

— O senhor tem certeza? — indagou Eleanor, admirada.

— Certeza absoluta — retrucou Ormsby, com um enorme sorriso. 

 Alamak,[1] eles não estão encontrando nossa reserva — suspirou Eleanor.

— Como assim? Será que você fez a reserva em outro nome? — perguntou Felicity.

— Não, lah. Por que eu faria isso? Fiz a reserva no meu nome — disse Eleanor, irritada. Por que Felicity sempre supunha que ela era uma incompetente? Eleanor virou-se de novo para o gerente.

— Senhor, poderia, por gentileza, verificar mais uma vez? Eu confirmei a reserva há doisdias. Era para estarmos na maior suíte do seu hotel. 

— Sim, eu sei que as senhoras reservaram a Suíte Lancaster, mas não consigo localizar seu nome em lugar algum — insistiu Ormsby.

— Desculpe, mas, se o senhor sabe que reservamos a Suíte Lancaster, por  que não podemos simplesmente subir?

Que inferno! Ormsby amaldiçoou seu deslize.

— Não, não; a senhora interpretou mal. O que eu quis dizer é que a senhora pode terachado que reservou a Suíte Lancaster, porém não consigo localizar nenhum registro dessa reserva. — Ele virou as costas para elas por um instante, fingindo remexer alguns papéis.

Felicity inclinou o corpo por sobre o balcão de carvalho envernizado e puxou o livro de reservas com encadernação de couro. Folheou as páginas.

— Olhe! Está escrito bem aqui: “Sra. Eleanor Young — Suíte Lancaster por quatro noites.” O senhor não está vendo?

— Madame! Isso é PARTICULAR! — vociferou Ormsby, furioso, assustando os dois recepcionistas novatos, que olharam, incomodados, para o chefe.

Felicity examinou o homem calvo de rosto vermelho e, subitamente, a situação tornou-se bastante clara. Como não enfrentava esse tipo de superioridade desdenhosa desde a infância, no passado remoto em que Cingapura era apenas uma colônia, achava que essa espécie de racismo evidente já não existia mais.

— Senhor — disse ela, educadamente, embora com bastante firmeza —, este hotel nos foi altamente recomendado pela Sra. Mince, esposa do bispo da Igreja Anglicana de Cingapura, e eu claramente vi o nosso nome em seu livro de reservas. Não sei que espécie de brincadeira é essa, mas nós viemos de muito longe e nossos filhos estão cansados e com frio. Insisto para que o senhor honre o compromisso de nossa reserva.

Ormsby ficou indignado. Como aquela chinesa de permanente à la Thatcher e sotaque“inglês” ridículo ousava falar com ele daquela maneira? 

— Lamento, mas simplesmente não temos nenhum quarto disponível — declarou.

— O senhor está me dizendo que não há mais nenhum quarto vago no hotel inteiro? — insistiu Eleanor, incrédula.

— Exatamente — respondeu ele, curto e grosso. — E para onde podemos ir a uma hora dessas? — perguntou Eleanor.

— Para Chinatown, quem sabe? — desdenhou Ormsby. Aquelas estrangeiras já haviam tomado muito do seu tempo.

Felicity voltou ao local onde sua irmã caçula, Alexandra Cheng, estava tomando conta da bagagem.

— Até que enfim! Mal posso esperar para tomar um banho quente — disse Alexandra, impaciente.

— Na verdade, esse homem detestável esta se  recusando  a nos  dar  o  quarto  reservado! — exclamou Felicity, sem fazer qualquer esforço para esconder sua fúria.

— O quê? Por que motivo? — perguntou Alexandra, completamente confusa. 

— Creio que tem alguma coisa a ver com o fato de sermos chinesas — respondeu Felicity, como se não conseguisse acreditar no que ela mesma estava dizendo.

Gum suey ah![2] — exclamou Alexandra. — Vou conversar com ele. Tenho mais experiência em lidar com esse tipo de gente por morar em Hong Kong. 

Alix, nem se dê ao trabalho. Esse homem é um típico ang mor gau sai![3] — exclamou Eleanor.

— Mesmo assim! Este, em tese, não é um dos hotéis mais exclusivos de  Londres? Como podem, então, tratar as pessoas dessa maneira sem que nada aconteça? — perguntou Alexandra.

— Exatamente! — vociferou Felicity. — Os ingleses em geral são muito  amáveis e, em todos esses anos que venho para cá, nunca fui tratada assim!

Eleanor assentiu em concordância, muito embora, por dentro, achasse que, em parte, a culpa daquele fiasco era de Felicity. Se ela não fosse tão giam siap[4] e os tivesse deixado pegar um táxi no Heathrow, eles teriam chegado menos desalinhados ao hotel. (É claro que não ajudava em nada o fato de que ela se sentia na obrigação de não andar tão bem-arrumada quando viajava com suas cunhadas, que estavam sempre malvestidas, isso desde aquela viagem para a Tailândia, em que todos as confundiram com suas empregadas.)

Edison Cheng, o filho de 12 anos de Alexandra, aproximou-se, sem cerimônia, das mulheres, bebendo refrigerante em um copo alto.

— Espere aí, Eddie! Onde você arrumou isso? — exclamou Alexandra. 

— No bar, é claro.

— E pagou com que dinheiro?

— Não paguei, mandei que enviassem a conta para a nossa suíte — retrucou Eddie, sem se abalar. — Podemos subir agora? Estou morrendo de fome e quero pedir comida no quarto.

Felicity balançou a cabeça em desaprovação. Os garotos de Hong Kong eram famosos por serem mimados, mas aquele seu sobrinho era incorrigível. Que bom que elas tinham ido até ali justamente para colocá-lo em um internato, onde iriam enfiar um pouco de juízo naquela cabeça de vento: ele precisava era de duchas frias de manhã cedo e torrada dormida com Bovril. 

— Não, não. Não vamos mais ficar aqui. Fique de olho em Nicky e Astrid enquanto decido o que iremos fazer — instruiu Felicity.

Eddie foi até onde estavam seus primos menores, a fim de continuar a brincadeira que haviam começado no avião.

— Já pra fora desse sofá! Não se esqueçam, eu sou o presidente da empresa, então quem fica sentado sou eu — ordenou. — Nicky, segure meu copo enquanto eu tomo o refrigerante com o canudinho. Astrid, você é a minha secretária, então massageie meus ombros.

— Não sei por que o presidente é você, e Nicky é o vice-presidente, enquanto eu sou só a secretária — protestou Astrid.

— Mas eu já não expliquei isso? Eu sou o presidente porque sou quatro anos mais velho do que vocês dois. Você é a secretaria porque é mulher. E eu preciso de uma mulher para massagear os meus ombros e me ajudar a escolher joias para dar de presente às minhas amantes. Ming Kah-Ching, o pai do meu melhor amigo, Leo, é o terceiro homem mais rico de Hong Kong, e é isso que a secretária dele faz. 

— Eddie, se vou ser seu vice-presidente,  eu  devia  fazer  coisas  mais  importantes do  que ficar apenas segurando o seu copo — argumentou Nick. — A gente ainda nem decidiu o que a nossa empresa fabrica.

 Eu já decidi. Fabricamos limusines customizadas, tipo Rolls-Royces e Jags — declarou Eddie.

— Ah, mas será que a gente não podia fabricar alguma coisa mais legal, como, por exemplo, máquinas do tempo? — perguntou Nick.

— Bem, nossas limusines são ultra especiais  e equipadas  com itens como  Jacuzzis, compartimentos secretos e assentos ejetáveis tipo os do James Bond — respondeu Eddie, saltando tão subitamente do canapé que derrubou o copo da mão de Nick. A Coca-Cola voou para todos os lados e o som do vidro se quebrando dominou o saguão. O chefe dos carregadores, o concierge e os recepcionistas olharam, carrancudos, para as crianças. Alexandra  correu  até lá brandindo o  dedo, consternada.

— Eddie! Olhe só o que você fez!

 — Não foi culpa minha. Foi o Nicky que derrubou o copo — balbuciou ele.

— Mas o copo era seu, e foi você que o derrubou da minha mão! — defendeu-se Nick. Ormsby aproximou-se de Felicity e Eleanor.

— Lamento, mas serei obrigado a pedir às senhoras que se retirem deste recinto. 

— Podemos pelo menos usar o seu telefone? — implorou Eleanor.

— Eu realmente acho que essas crianças já causaram estragos o bastante para uma única noite, não concordam? — sibilou ele.

Ainda estava chuviscando, e o grupo se aninhou embaixo de um toldo de listras verdes e brancas na Brook Street, enquanto Felicity, dentro de uma cabine telefônica, ligava freneticamente para outros hotéis.

— Adai gu cheh parece um soldado num posto de sentinela, naquela cabine vermelha — comentou Nick, bastante entusiasmado com o rumo esquisito dos acontecimentos. — Mamãe, o que vamos fazer se não encontrarmos um lugar para dormir essa noite? Podíamos dormir no Hyde Park. Tem uma bétula impressionante nesse parque; os galhos vão até o chão, tão rentes que formam quase uma caverna, e as pessoas a chamam de árvore de cabeça para baixo. Agente podia dormir lá dentro e se proteger da…

Pare de falar bobagens! Ninguém vai dormir no parque! Dai gu cheh está ligando para outros hotéis — disse Eleanor, pensando que seu filho estava ficando perigosamente precoce.

— Aaaaah, mas eu quero dormir no parque! — disse Astrid, com um gritinho de alegria. — Nicky, você se lembra de quando a gente colocou aquela cama de ferro enorme no jardim da casa da Ah Ma uma noite e dormiu sob as estrelas?

— Bem, vocês dois podem ir dormir até na loong kau[5] se quiserem, mas eu vou ficar na suíte presidencial tomando champanhe e comendo club sandwich e caviar — disse Eddie.

— Deixe de ser ridículo, Eddie. E onde foi que você já comeu caviar na vida? — quis saber sua mãe.

— Na casa do Leo. O mordomo sempre serve caviar para a gente com uns triangulozinhos de torrada. E o caviar é sempre beluga iraniano, porque a mãe do Leo disse que o caviar iraniano é o melhor — declarou Eddie.

 — É bem típico de Connie Ming dizer uma coisa dessas — murmurou Alexandra entre os dentes, feliz pelo fato de seu filho finalmente estar longe da influência daquela família.

Dentro da cabine, em uma ligação com muitos chiados para Cingapura, Felicity tentava explicar ao marido a enrascada em que haviam se metido.

— Não faz o menor sentido, lah! Você devia ter exigido o quarto! — exclamou Harry Leong com raiva. — Você e sua mania de ser sempre educada; esses serviçais precisam ser colocados em seu devido lugar. Você disse quem nós somos? Vou ligar para o ministro das Finanças agora mesmo!

— Ora, por favor, Harry, você não está ajudando em nada! Já liguei para mais de dez hotéis. Quem ia saber que hoje é Dia da Commonwealth? Todos os quartos VIPs da cidade estão ocupados. A coitadinha da Astrid está ensopada. Precisamos encontrar um lugar para passar a noite antes que nossa filha morra com um resfriado.

— Você já tentou telefonar para o seu primo Leonard? E se vocês pegassem um trem direto para Surrey? — sugeriu Harry.

— Já tentei. Ele não está em casa; foi caçar tetrazes na Escócia e vai ficar por lá o fim de semana inteiro. 

— Que confusão dos diabos! — suspirou Harry. — Vou ligar para o Tommy  Toh, na embaixada de Cingapura. Tenho certeza de que eles vão resolver tudo. Qual é mesmo o nome desse maldito hotel racista?

— Calthorpe — respondeu Felicity.

 Alamak , esse não é o hotel daquele tal de Rupert Calthorpe-tralalá-tralalá? — perguntou Harry, subitamente empertigando o corpo.

 —Não tenho a menor ideia.

— Onde fica? 

— Em Mayfair, perto da Bond Street. É um hotel lindo. O único problema é  esse gerente horroroso.

— Sim, acho que é esse mesmo! Joguei golfe com um Rupert “sei lá o quê” e outros britânicos no mês passado, na Califórnia, e lembro que ele me contou tudo sobre esse hotel.

Felicity, tive uma ideia. Vou ligar para esse tal Rupert. Não saia daí; logo, logo, eu telefono devolta. Ormsby mal podia acreditar quando as três crianças chinesas entraram como um furacão pela porta principal mais uma vez, menos de uma hora depois de ele ter expulsado o bando inteiro.

— Eddie, vou pegar uma bebida para mim. Se quiser uma, vá apanhar você mesmo — disse Nick com firmeza ao primo, enquanto atravessava o saguão.

— Ei, não se esqueçam do que a sua mãe disse! Está tarde demais pra gente beber Coca-Cola — advertiu Astrid, saltando pelo saguão para tentar alcançar os meninos.

— Bem, então vou tomar uma Cuba Libre — disse Eddie, sem se abalar. 

— Mas que diabos está acontecendo… — berrou Ormsby, pisando duro pelo saguão para interceptar as crianças. Antes de alcançá-las, porém, avistou de repente Lorde Rupert Calthorpe-Cavendish-Gore conduzindo as mulheres pelo saguão, parecendo um guia turístico.

— E meu avô trouxe René Lalique em 1918 para fazer os murais de vidro que as senhoras estão vendo aqui no salão. Desnecessário dizer que Lutyens, que supervisionou a restauração, não aprovou nada esses floreios art nouveau.

As mulheres deram uma risadinha educada.

Rapidamente, os funcionários ficaram em alerta, surpresos ao verem o velho lorde, que havia anos não colocava os pés no hotel. Lorde Rupert virou-se para o gerente.

— Ah, Wormsby, certo? 

— Sim, senhor — respondeu ele, confuso demais para corrigir seu patrão.

— O senhor poderia fazer a gentileza de preparar alguns aposentos para as adoráveis Sra.Young, Sra. Leong e Sra. Cheng?

— Mas, senhor, eu acabei de… — Ormsby tentou protestar. 

— Ah, sim, Wormsby, mais uma coisa — interrompeu Lorde Rupert, sem  prestar atenção no gerente — Peço que dê aos funcionários um aviso da mais alta importância. Desta noite em diante, encerra-se a longa história da minha família como administradora do Calthorpe.

Ormsby olhou para ele em estado de completo e total descrédito.

— Meu senhor, certamente deve haver algum engano… 

— Engano nenhum. Acabo de vender o Calthorpe de alto a baixo, até a  última fechadura. Deixe que eu lhe apresente a nova proprietária, a Sra. Felicity Leong.

— O QUÊ?

— Isso mesmo. O marido da Sra. Leong, Harry Leong, um sujeito sensacional, com uma tacada mortal de direita, que conheci em Pebble Beach, acabou de me telefonar fazendo uma oferta maravilhosa. Agora posso dedicar todo o meu tempo à pesca em Eleuthera, sem precisar mais me preocupar com este gigante gótico.

Ormsby olhou para as mulheres, boquiaberto.

— Senhoras, por que não nos juntamos a seus adoráveis filhos no Long Bar para um brinde? — sugeriu Lord Rupert, todo feliz.

— Seria maravilhoso — retrucou Eleanor. — Mas, antes disso, Felicity, você não tinha algo a dizer a esse homem?

Felicity se virou para Ormsby, que agora parecia prestes a desmaiar.

 Ah, é mesmo, já ia quase me esquecendo — disse ela, com um sorriso. — Lamento, mas serei obrigada a pedir ao senhor que se retire deste recinto.

Notas

1 Gíria malaia utilizada para demonstrar surpresa ou exasperação; algo como “ai, meu Deus” ou “minha nossa”. lamak e lah são os termos coloquiais mais usados em Cingapura. (Lah é um sufixo que pode ser usado no final de qualquer frase para indicar ênfase, mas não existe uma boa explicação para o seu uso, lah.)

2 Em cantonês, “que desgraça!”.

3 Charmoso coloquialismo do dialeto hokkien  que pode ser traduzido como “cocô de cachorro” (gau sai)“ruivo” (ang mor). Usado para se referir a todos os ocidentais, em geral é abreviado simplesmente para “angmor”.

4 Em hokkien, “pão-duro”, “miserável”. (A maioria dos cingapurianos fala inglês, mas é bastante comum misturarem palavras em malaio, indiano e em diversos dialetos chineses, formando um jargão local denominado “Singlish” – “cinglês”.)

5 “Sarjeta”, em cantonês.

Parte Um

 Em nenhum lugar do mundo é possível encontrar povo mais rico do que os chineses.

IBN BATUTA (SÉCULO XIV)

1

Nicholas Young e Rachel Chu

NOVA YORK, 2010

— Tem certeza? — perguntou Rachel mais  uma vez, soprando  suavemente  sobre a superfície de sua xícara de chá fumegante. Eles estavam sentados à sua mesa costumeira, ao lado da janela do Tea & Sympathy, e Nick havia acabado de convidá-la para passar o verão com ele na Ásia.

— Rachel, eu iria adorar se você fosse — garantiu Nick, mais uma vez. — Você  não estava mesmo planejando dar aulas no verão… Então por que está preocupada? Acha que não vai conseguir encarar o calor e o clima úmido?

— Não, não é nada disso. É que eu sei que você vai estar muito ocupado com suas funções de padrinho, e não quero ser uma distração.

— Distração? Que distração? O casamento do Colin vai ser na primeira semana da viagem para Cingapura. Depois disso, nós teremos o verão inteiro para ficar zanzando pela Ásia. Vamos, eu quero lhe mostrar o lugar onde passei a infância. Quero levar você a todos os meus refúgios favoritos.

— Você vai me mostrar a caverna sagrada onde perdeu a virgindade?  —  provocou ela, arqueando uma sobrancelha, achando graça.

— Com toda a certeza! Podemos até fazer uma reprise! — disse Nick, com uma gargalhada e passando geleia e creme de nata em um biscoito recém-saído do forno. — Além do mais, você não tem uma grande amiga que mora em Cingapura?

— Sim, Peik Lin, minha melhor amiga da faculdade — respondeu Rachel. — Há anos ela tenta me fazer uma visita.

— Mais um motivo para você ir. Rachel, você vai adorar, e eu tenho certeza de que vai ficar louca com a comida! Você sabe que Cingapura é o país mais obcecado com comida do mundo, não sabe?

— Bom, só de ver como você idolatra tudo o que come, imagino que esse deve ser o esporte nacional.

— Você se lembra do texto do Calvin Trillin na New Yorker sobre as comidas de rua de Cingapura? Vou levar você a lugares que nem mesmo ele conhece. — Nick mordeu novamente seu biscoito macio e continuou a falar, de boca cheia. — Eu sei quanto você adora esses biscoitos. Espere só até provar os da minha Ah Ma…

— Sua Ah Ma faz esse tipo de biscoito? — Rachel tentou imaginar uma avó  chinesa tradicional assando típicos biscoitos ingleses. 

— Bom, não exatamente, mas, na casa dela, você vai comer os melhores biscoitos ingleses do mundo; espere só até ver — disse Nick, virando-se ligeiramente por reflexo, para checar se mais alguém tinha ouvido o que ele disse. Não queria ser uma persona non grata em seu café favorito por jurar fidelidade a outros biscoitos ingleses, mesmo que fossem os de sua avó.

Numa mesa próxima, uma garota escondida atrás de uma pilha de três andares de sanduichinhos ficava cada vez mais excitada com a conversa que estava ouvindo. Se antes desconfiava de que fosse ele, agora tinha absoluta certeza e confirmação. Aquele era mesmo Nicholas Young. Embora, naquela época, tivesse apenas 15 anos, Celine Lim jamais esqueceu o dia em que Nicholas passou pela mesa de sua família no Pulau Club1 e lançou aquele seu sorriso matador para sua irmã Charlotte.

— Aquele lá não é um dos irmãos Leongs? — perguntara sua mãe.

— Não, é Nicholas Young, primo dos Leongs — respondera Charlotte.

— O filho de Phillip Young? Nossa, quando foi que ele ficou assim? Como  está bonito agora! — exclamou a Sra. Lim.

— Acabou de chegar de Oxford. Dupla especialização, em História e Direito — acrescentou Charlotte, antecipando a pergunta seguinte de sua mãe.

— Por que você não se levantou e foi até lá falar com ele? — indagou a Sra. Lim, empolgadíssima. 

— E por que eu deveria me dar ao trabalho, se você afasta todos os caras que se atrevem ase aproximar de mim? — retrucou Charlotte, bruscamente.

 Alamak , sua garota burra! Só estou tentando proteger você dos aproveitadores que estão atrás da sua fortuna! Ter esse aí seria uma grande sorte. Esse você pode cheong!

Celine mal conseguia acreditar que sua mãe estava encorajando a irmã mais velha a agarrar aquele garoto. Ela olhou, curiosa, para Nicholas, que agora ria, todo animado, com seus amigos em uma mesa sob um guarda-sol azul e branco perto da piscina. Mesmo à distância, ele se destacava. Ao contrário dos outros garotos, com seus cortes de cabelo feitos em barbearias de indianos, Nicholas tinha cabelos escuros perfeitamente desalinhados, traços de ídolo pop cantonês e cílios inacreditavelmente espessos. Era o garoto mais lindo e incrível que ela já tinha visto na vida.

— Charlotte, por que você não vai até lá e o convida para nosso evento beneficente de sábado? — insistiu sua mãe.

— Pare com isso, mamãe. — Charlotte sorriu, exibindo dentes perfeitos. —  Eu sei o que estou fazendo.

Mas, na verdade, Charlotte não sabia o que estava fazendo, uma vez que, para a eterna frustração de sua mãe, Nicholas jamais deu as caras no evento beneficente de sua família. Entretanto, aquela tarde no Pulau Club deixou uma marca tão indelével na lembrança adolescente de Celine que, seis anos mais tarde, do outro lado do planeta, ela foi capaz de reconhecer Nicholas.

— Hannah, espere um pouco; vou tirar uma foto sua com esse pudim de caramelo delicioso e grudento — disse Celine, sacando o celular. Ela apontou-o na direção da amiga, mas,disfarçadamente, pôs o foco em Nicholas. Tirou a foto e, imediatamente, a enviou por e-mail à sua irmã, que agora morava em Atherton, na Califórnia. Seu telefone emitiu um bipe alguns minutos mais tarde.

    Irmã: PQP! É O NICK YOUNG! ONDE VC TÁ?

    Celine Lim: No T&S.

    Irmã: Quem é essa garota que tá com ele?

    Celine Lim: A namorada, acho. Parece ser uma CNA. [2]

    Irmã: Hummm… Vc tá vendo alguma aliança?

    Celine Lim: Nada de aliança.

    Irmã: Pfv, fica de olho pra mim!!!!

    Celine Lim: Agora vc tá em dívida eterna comigo, hein!!!!


Nick olhou pela janela do café, assombrado com as pessoas que desfilavam com cachorrinhos naquele trecho da Greenwich Avenue, como se ali fosse a passarela das raças de maior destaque da cidade. Um ano antes, os buldogues franceses eram a última moda, mas, agora,pelo visto, os galgos italianos estavam ganhando dos franceses. Ele voltou a olhar para Rachele continuou a campanha:

— A maior vantagem de a gente começar por Cingapura é que lá é a base perfeita. A Malásia fica do outro lado da ponte e, dali, é um pulo para Hong Kong, Camboja, Tailândia…Podemos, inclusive, ir pulando de ilha em ilha até chegar à Indonésia…

— Tudo isso parece sensacional, mas dez semanas… Não sei se quero ficar tanto tempo assim fora — disse Rachel, pensativa. Podia sentir a ansiedade de Nick, e a ideia de visitar a Ásia novamente a enchia de animação. Passara um ano dando aulas em Chengdu, entre agraduação e o mestrado, mas, naquela época, não tinha dinheiro para ir a lugar nenhum além das fronteiras da China. Como economista, ela sabia bastante coisa sobre Cingapura — aquela ilha intrigante e minúscula no extremo da Península da Malásia que, em poucas décadas,deixara de ser a longínqua colônia britânica para se transformar em um país com a maior concentração de milionários do mundo. Seria fascinante ver aquele lugar de perto,principalmente tendo Nick como guia.

Entretanto, algo naquela viagem estava deixando Rachel um tanto apreensiva. Ela não conseguia deixar de pensar em todas as implicações subliminares. Nick estava fazendo tudo aquilo parecer muito espontâneo, mas, como Rachel o conhecia muito bem, tinha certeza de que havia pensado naquilo muito mais do que deixava transparecer. Os dois estavam juntos havia quase dois anos e, agora, ele a convidava para uma viagem longa a fim de visitar sua cidade natal e prestigiar o casamento de seu melhor amigo — nada mais, nada menos. Será que aquilo significava o que ela achava que significava?

Rachel olhou para o interior de sua xícara de chá, querendo obter algum sinal divino das folhas acumuladas aqui e ali no fundo do Assam dourado. Nunca fora o tipo de garota de sonhar com finais felizes de contos de fadas. Pelos padrões chineses, aos 29 anos, entrara no território das solteironas, e, embora seus parentes enxeridos estivessem sempre tentando arrumar alguém para ela, passara a maior parte de seus vinte anos concentrada nos estudos — primeiro a faculdade, depois a dissertação de mestrado e, em seguida, o pontapé inicial em sua carreira acadêmica. Aquele convite-surpresa, no entanto, havia acendido algum instinto residual dentro dela. Ele quer me levar para a sua casa. Quer que eu conheça a família dele. O lado romântico adormecido dela estava despertando, e Rachel sabia que só havia uma resposta possível.

— Tenho que checar com o chefe do departamento quando preciso estar de volta, mas quer saber de uma coisa? Vamos, sim! — declarou ela. Nick se inclinou por sobre a mesa e beijou-a todo feliz.

Minutos depois, antes que a própria Rachel soubesse exatamente quais os planos para o seu verão, os detalhes de sua conversa já começavam a se espalhar pelo mundo como um vírus.Depois que Celine Lim (estudante de moda na Parsons School of Design) mandou o e-mail para sua irmã, Charlotte Lim (que, recentemente, ficara noiva do analista de risco Henry Chiu), na Califórnia, Charlotte ligou para sua melhor amiga, Daphne Ma (filha caçula de Sir Benedict Ma), em Cingapura, e contou-lhe, esbaforida, todos os detalhes. Daphne mandou mensagens de texto para oito amigas, incluindo Carmen Kwek (neta de Robert “Rei do Açúcar” Kwek), de Xangai, cuja prima Amelia Kwek estudara com Nicholas Young em Oxford. Amelia simplesmente teve de contar tudo por mensagem à sua amiga Justina Wei (herdeira do Macarrão Instantâneo), de Hong Kong, e Justina, cujo escritório em Hutchison Whampoa ficava no mesmo corredor e em frente ao de Roderick Liang (do Liang Finance Group, pertencente aos Liangs), simples mente teve de interromper a chamada em conferência de Roderick para contar essa fofoca deliciosa. Ele, por sua vez, ligou por Skype para a namorada,Lauren Lee, que estava de férias no Royal Mansour, em Marrakesh, com a avó, a Sra. LeeYong Chien (que dispensa apresentações), e a tia, Patsy Teoh (Miss Taiwan em 1979, atual ex-mulher do milionário das telecomunicações Dickson Teoh). À beira da piscina, Patsy fez uma ligação para Jacqueline Ling (neta do filantropo Ling Ying Chao) em Londres, sabendo muito bem que Jacqueline ligaria imediatamente para Cassandra Shang (prima de segundo grau de Nicholas Young), que, todo ano, na primavera, ia para a imensa propriedade da família Lingem Surrey. E, assim, essa corrente exótica de fofoca espalhou-se rapidamente pelas redes de contato levantinas do jet set  asiático, e, em questão de poucas horas, praticamente todos os membros desse círculo exclusivo já sabiam que Nicholas Young levaria uma mulher para Cingapura.

E, alamak! Que notícia bombástica.

Notas

1 O country club de maior prestígio de Cingapura (tornar-se sócio de lá é praticamente mais difícil do que se sagrar cavaleiro).

2 Chinesa Nascida na América. Em inglês, ABC (American Born Chinese).

2

Eleanor Young

CINGAPURA

Todos sabiam que Dato[1] Tai Toh Lui tinha feito sua fortuna de maneira suja, provocando a derrocada de Loong Ha Bank no início da década de 1980, mas, graças aos esforços de sua esposa, Datin Carol Tai, em nome das entidades beneficentes corretas, nas duas décadas seguintes, o nome Tai já estava gravado com honrarias e respeitabilidade. Por exemplo: toda quinta-feira, a datin organizava, em seu quarto, um almoço de estudos bíblicos para as amigas mais próximas, no qual Eleanor Young era presença garantida.

O quarto palaciano de Carol não ficava na imensa construção térrea de aço e vidro que todos os moradores da Kheom Hock Road chamavam de “Casa Star Trek”. A conselho da equipe de segurança do marido, o quarto da datin ficava escondido no pavilhão da piscina,uma fortaleza branca de calcário que se espraiava ao longo da piscina como um Taj Mahal pós-moderno. Para entrar ali, ou você seguia pela trilha que serpenteava os jardins de pedra coral ou tomava o atalho pela ala dos empregados. Eleanor sempre preferia o caminho mais rápido,não só porque evitava o sol, para conservar sua compleição branca de porcelana, como também porque, na posição de amiga mais antiga de Carol, considerava-se isenta das formalidades de esperar na sala de estar até ser anunciada pelo mordomo e toda aquela baboseira sem sentido.

Além disso, Eleanor gostava de passar pelas cozinhas. As velhas amahs agachadas diante das panelas a vapor esmaltadas sempre abriam as tampas para que ela sentisse o aroma das ervas medicinais fumegantes em infusão preparadas para o marido de Carol (“Viagra natural”,segundo ele), e as empregadas limpando peixes no pátio se derretiam em elogios, perguntando como a Sra. Young ainda parecia jovem aos 60 anos, com aquele elegante corte chanel desestruturado e o rosto sem rugas (antes de discutirem furiosamente, tão logo ela não pudesse mais ouvir, sobre qual procedimento cosmético caro a Sra. Young deveria ter feito para obter esse resultado).

Quando Eleanor chegasse ao quarto de Carol, as frequentadoras habituais do grupo de estudos bíblicos — Daisy Foo, Lorena Lim e Nadine Shaw — já estariam ali reunidas, à sua espera. Naquele local, protegidas do inclemente calor equatoriano, aquelas amigas de longa data se esparramariam languidamente pelo quarto, analisando os versos da Bíblia destinados aos estudos daquele dia. O lugar de honra na cama Huanghuali[2] de Carol, da dinastia Qing, era sempre reservado a Eleanor, pois Carol ainda lhe prestava deferência — embora a casa fosse sua e ela é quem fosse a esposa do financista bilionário. As coisas eram assim desde a infância das duas, quando eram vizinhas na Serangoon Road, principalmente porque, vinda de uma família de língua chinesa, Carol sempre se sentiu inferior a Eleanor, que aprendera inglês antes do chinês. (As outras também se ajoelhavam diante de Eleanor, porque, ao se tornar a Sra.Philip Young, ela havia superado até mesmo aquelas damas extremamente bem-casadas.)

Naquele dia em particular, o almoço começou com codorna na brasa e abalone com macarrão, e Daisy (casada com o magnata da borracha Q. T. Foo, mas cujo nome de solteira era Wong, dos Ipoh Wongs) esforçava-se para separar os fios grudentos de massa enquanto tentava localizar 1 Timóteo em sua Bíblia King James. Com seu penteado permanente na altura do pescoço e os óculos sem aros apoiados na ponta do nariz, ela parecia a diretora de uma escola feminina. Aos 64 anos, era a mais velha das senhoras presentes e, embora todas as demais tivessem optado pela Nova Versão Padrão Americana, Daisy sempre insistia em usar aquela outra versão, dizendo: “Estudei num colégio de freiras, e foram elas que me educaram;então, para mim, nunca vai haver outra Bíblia além da King James.” Gotículas de caldo temperado com alho se espalharam na página fina como um lenço de papel, mas ela conseguiu manter o livro aberto com uma das mãos enquanto manobrava com destreza os hashis com a outra.

Nesse ínterim, Nadine estava ocupada folheando a sua Bíblia — a edição mais recente da Singapore Tattle. Todos os meses ela mal podia esperar para ver quantas fotos de sua filha Francesca — a celebrada “herdeira da Shaw Foods” — seriam publicadas na seção “Soirées”da revista. A própria Nadine era figura fácil naquelas páginas, com sua maquiagem estilo teatro kabuki, suas joias do tamanho de frutas tropicais e o cabelo penteado com ultra volume.

— Olhe, Carol, a Tattle dedicou duas páginas inteirinhas à sua noite de gala em prol dos Christian Helpers!3 — exclamou Nadine.

— Já? Não imaginei que eles fossem soltar isso tão depressa assim — comentou Carol. Ao contrário de Nadine, ela sempre ficava meio envergonhada ao se ver nas revistas, muito embora os editores constantemente elogiassem sua “aparência de cantora clássica de Xangai”. Carol simplesmente se sentia obrigada a comparecer semanalmente àqueles jantares de gala beneficentes porque qualquer cristã de nascença deveria fazer isso e porque seu marido sempre a lembrava de que “bancar a Madre Teresa é bom para os negócios”.

Nadine correu os olhos de alto a baixo pelas páginas lustrosas.

— Aquela tal Lena Teck engordou mesmo depois do cruzeiro pelo Mediterrâneo, não é? Deve ter sido todos aqueles bufês; a gente sempre se vê na obrigação de comer mais, para fazer valer o nosso dinheiro. Acho melhor ela começar a se cuidar. Todas as mulheres da família Teck acabam com tornozelos gordos.

— Acho que ela não se importa de ficar com os tornozelos gordos. Sabe quanto ela herdou depois da morte do pai? Ouvi dizer que ela e os cinco irmãos faturaram 700 milhões cada um — disse Lorena, deitada na chaise longue.

— Só isso? Achei que a Lena tinha pelo menos um bilhão — comentou  Nadine, com desdém. — Ei, que estranho, Elle! Como não tem nenhuma foto da sua linda sobrinha Astrid aqui? Eu me lembro muito bem de todos aqueles fotógrafos perturbando a coitada naquele dia.

— Esses fotógrafos só perdem tempo. As fotos da Astrid nunca são publicadas em lugar nenhum. A mãe dela fez um acordo com os editores de todas as revistas quando ela ainda era adolescente — explicou Eleanor.

— E por que ela faria uma coisa dessas?

— Até parece que, a essa altura, você não conhece a família do meu marido! Eles preferem morrer a aparecer na imprensa — disse Eleanor.

— Por quê? Ficaram tão importantes que não podem mais ser vistos socializando com outros cingapurianos? — indagou Nadine, indignada.

— Ora, Nadine, existe uma diferença entre ser importante e ser discreto  —  comentou Daisy, sabendo muito bem que famílias como os Leongs e os Youngs preservavam tanto a privacidade que aquilo chegava a beirar a obsessão.

— Importante ou não, acho a Astrid maravilhosa — Carol fez coro. — Sabe, eu não devia dizer isso, mas o cheque de maior valor no evento beneficente foi o da Astrid. Ela insistiu para que sua doação permanecesse anônima, mas foi graças a ela que o jantar de gala deste ano foi um sucesso sem precedentes.

Eleanor observou a bela empregada nova da China continental que entrou no quarto e ficou imaginando se ela não seria mais uma das garotas que o dato’ escolhera a dedo na “agência de empregos” que frequentava em Suzhou, cidade famosa por abrigar as mulheres mais bonitas da China.

— O que temos para hoje? — perguntou ela a Carol, enquanto a empregada pousava um baú robusto de madrepérola bem familiar ao lado da cama. 

— Ah, eu só queria mostrar a vocês umas coisinhas que comprei na minha viagem para a Birmânia.

Impaciente, Eleanor abriu a tampa do baú e começou a retirar de dentro dele,metodicamente, as bandejas forradas de veludo preto. Uma de suas partes favoritas dos almoços de estudos bíblicos das quintas-feiras era conferir as aquisições mais recentes de Carol. Em pouco tempo, a cama estava repleta de bandejas cobertas de veludo com uma variedade ofuscante de joias.

— Que cruzes mais elaboradas… Não sabia que eles tinham um trabalho de engaste tão bom assim na Birmânia! 

— Não, não. Essas cruzes são da Harry Winston — corrigiu Carol. — Os rubis é que são da Birmânia.

Lorena deixou seu almoço de lado e foi direto até a cama. Segurou um dos rubis dotamanho de uma lichia contra a luz. 

— Olhe, você precisa tomar cuidado na Birmânia, porque  uma  boa  parte  dos rubis de lá é quimicamente tratada para ficar com uma coloração mais vermelha. — Na condição de esposa de Lawrence Lim (da L’Orient Jewelry, dos Lims), Lorena podia falar com autoridade sobre o assunto.

 — Pensei que os melhores rubis viessem da Birmânia — comentou Eleanor.

— Senhoras, vocês precisam parar de usar o termo “Birmânia”. Há mais de vinte anos que o país se chama Myanmar — corrigiu-as Daisy.

 Alamak! Você parece o Nicky, sempre me corrigindo! — retrucou Eleanor.

— Ei, por falar no Nick, quando é que ele chega de Nova York? Ele não vai ser padrinho de casamento do Colin Khoo? — perguntou Daisy.

— Sim, sim, mas você sabe como é o meu filho… Eu sou sempre a última a saber de tudo! — reclamou Eleanor.

— Mas ele não vai ficar na sua casa?

— Claro. Ele sempre fica primeiro na nossa casa e depois vai para a da  Velha — disse Eleanor, usando o apelido que reservava para sua sogra. 

— Bem — prosseguiu Daisy, falando um pouco mais baixo. — O que você  acha que a Velha vai fazer com a hóspede dele?

— Como assim? Que “hóspede”? — perguntou Eleanor. 

— Aquela que ele… vai levar… para o casamento — respondeu Daisy lentamente, correndo os olhos de uma mulher a outra maliciosamente, tendo plena consciência de que todas sabiam de quem ela estava falando.

— Do que você está falando? Quem ele vai levar? — perguntou Eleanor, meio confusa. 

— A mais nova namorada dele, lah! — revelou Lorena.

— Imagina! Nicky não tem namorada nenhuma — insistiu Eleanor. 

— Por que é tão difícil para você acreditar que seu filho está namorando? — perguntou Lorena, que sempre considerara Nicko rapaz mais maravilhoso daquela geração e, com todo aquele dinheiro dos Youngs a reboque, era uma pena que a imprestável da sua filha, Tiffany, não tivesse conseguido conquistá-lo.

— Com certeza você já deve ter ouvido falar dessa garota, não? A de Nova York  — disse Daisy num sussurro, deliciando-se por ser ela quem estava dando a notícia a Eleanor.

— Uma garota americana? Nicky não ousaria fazer uma coisa dessas! Daisy, suas informações são sem preta pah kay![4]

— O que você quer dizer com isso? Essa notícia não é nada ta pah kay; vem da fonte mais confiável deste mundo! E, seja como for, ouvi dizer que ela é chinesa — falou Daisy.

— É mesmo? Qual é o nome dela e de onde ela é? Daisy, se você me disser que ela é da China continental, acho que vou ter um ataque — advertiu-a Eleanor. 

— O que eu fiquei sabendo é que ela é de Taiwan — contou Daisy com cautela.

— Minha nossa, espero que ela não seja um daqueles furacões de Taiwan! — riu Nadine.

 — Como assim? — perguntou Eleanor.


 — Você sabe a fama que essas garotas de Taiwan têm, às vezes. Elas aparecem do nada,deixam os homens de quatro por elas e, antes que você se dê conta de qualquer coisa, elas já foram embora; mas não sem antes sugarem até o último dólar deles, exatamente como um furacão — explicou Nadine. — Eu conheço muitos homens que já foram vítimas dessas mulheres. Vocês se lembram do Gerald, filho da Sra. K. C. Tang, cuja esposa limpou os cofres e zarpou com todos os antigos bens da família Tang. Ou da pobre Annie Sim, que perdeu o marido para aquela cantora de Taipei.


Naquele momento, o marido de Carol entrou no quarto. 

— Olá, olá, senhoras! Como anda a hora de Jesus hoje? — perguntou ele, baforando seu charuto e girando um cálice de Hennessy, parecendo a própria caricatura de um magnata asiático.

— Olá, Dato’! — cumprimentaram as mulheres em uníssono, ajeitando-se apressadamente para posições mais decorosas.

 Dato’, Daisy está tentando me fazer ter um ataque! Ela acabou de nos dizer que o Nicky está com uma nova namorada de Taiwan! — gritou Eleanor.

— Calma, Lealea. As garotas de Taiwan são adoráveis… Sabem como tratar bem um homem e, além do mais, talvez ela seja mais bonita do que todas essas garotas mimadas com edigree com quem você vive tentando enrabichá-lo. — Odato’ sorriu. — Enfim, seja como for — continuou ele, subitamente abaixando o tom de voz —, se eu fosse você, me preocuparia menos com o jovem Nicholas e mais com a Sina Land. — Por quê? O que aconteceu com a Sina Land? — indagou Eleanor.

— Sina Landtoh tuew. Vai falir — declarou o dato’ com um sorriso satisfeito. 

— Mas a Sina Land é valiosíssima. Como uma coisa dessas é possível? Meu irmão até medisse que eles estão com projetos novos no oeste da China — argumentou Lorena.

 — O governo chinês, segundo minha fonte garantiu, pulou fora daquele novo empreendimento gigantesco em Xinjiang. Acabei de me livrar das minhas participações e estou retirando 100 mil ações de hora em hora até o fechamento da Bolsa.

Dito isso, dato’ soltou uma grande baforada de seu Cohiba e apertou um botão ao lado da cama. A grande parede de vidro que dava para a piscina cintilante começou a se inclinar num ângulo de 45 graus, como uma enorme porta de garagem suspensa, e o dato’ saiu caminhando pesadamente em direção à casa principal.

Por alguns segundos, o quarto ficou em silêncio absoluto. Quase era possível ouvir os mecanismos das cabeças de cada uma das mulheres girando à exaustão. De repente, Daisy saltou de sua poltrona, derrubando a bandeja de macarrão no chão.

 — Rápido, rápido! Cadê a minha bolsa? Preciso ligar para o meu corretor!

Eleanor e Lorena também saíram correndo, procurando, atabalhoadamente, seus celulares.Nadine, que tinha o número de seu corretor de ações na discagem direta, já estava berrando ao telefone: — Venda tudo! SINA LAND. Sim. Venda tudo! Acabei de ouvir, de uma fonte muito segura, que essa empresa é uma causa perdida!

Lorena estava do outro lado da cama, falando ao telefone com a mão em concha. — Desmond, não estou nem aí, simplesmente comece a vender tudo agora. Daisy começou a hiperventilar:

Sum toong, ah![5] Estou perdendo milhões a cada segundo! Cadê o meu maldito corretor? Não me diga que aquele paspalho ainda está almoçando! Calmamente, Carol tocou o painel touch screen ao lado de sua mesa de cabeceira.

— Mei Mei, você pode, por favor, vir até aqui limpar uma coisa que caiu no chão? — Em seguida fechou os olhos, levantou os braços e começou a rezar em voz alta: —Oh, Jesus,nosso senhor e salvador, abençoado seja o Vosso nome. Viemos até Vós pedir humildemente perdão hoje, pois todas nós pecamos contra Vós. Graças por nos banhar com Vossas bênçãos.Graças ao Nosso Senhor Jesus Cristo pela irmandade que compartilhamos hoje, pelo alimento que nos nutriu, pelo poder da Vossa palavra sagrada. Por favor, proteja a nossa querida irmã  Eleanor,  a irmã Lorena,  a irmã  Daisy  e a  irmã Nadine, enquanto elas tentam vender suas ações da Sina Land…

Carol abriu os olhos por um instante, notando, com satisfação, que pelo menos Eleanor estava orando ao seu lado. Mas, logicamente, ela não tinha como saber que, por trás daquelas pálpebras serenamente cerradas, Eleanor estava rezando por uma coisa completamente diferente. Uma garota de Taiwan! Por favor, Deus, permita que isso não seja verdade!

Notas

1 Título honorífico de alto prestígio na Malásia (semelhante ao de cavaleiro na Grã-Bretanha), concedido por um governante hereditário da realeza de um dos nove estados malaios. Esse título costuma ser empregado pela realeza malaia para agraciar empresários poderosos, políticos e filantropos da Malásia, de Cingapura e da Indonésia, e algumas pessoas passam décadas puxando o saco apenas para obtê-lo. A esposa de um dato’ é chamada de datin.

2 Literalmente, “pera amarela em flor”, um tipo extremamente raro de jacarandá hoje praticamente extinto. Nas últimas décadas, os móveis de Huanghuali passaram a ser bastante procurados por colecionadores com olhar atento — afinal de contas, combinam muito bem com os móveis modernos de meados do século.

3 Organização sem fins lucrativos de natureza cristã voltada para a caridade. ( N. da T. )

4 Em malaio, “não confiáveis”.

5 Em cantonês: “Me dá dor no coração”.

Marcações: ,