Livro ‘Você pode ser livre onde estiver’ por Jack Kornfield

Livro 'Você Pode Ser Livre Onde Estiver' por Jack Kornfield
APESAR DAS CIRCUNSTÂNCIAS DIFÍCEIS, APESAR DOS TEMPOS INCERTOS, LEMBRE-SE: NINGUÉM PODE APRISIONAR O SEU ESPÍRITO. Os livros de Jack Kornfield já venderam mais de 1 milhão de exemplares e foram traduzidos para 21 idiomas. "A liberdade começa onde estamos.”– Jack Kornfield Um dos mais admirados professores de meditação da atualidade, Jack Kornfield mostra neste livro como despertar nossa capacidade de amar e de ser livre mesmo entre dores e dificuldades. Cada capítulo apresenta o caminho para um diferente tipo de liberdade – de amar, de recomeçar, de ser você mesmo, de ser feliz – e nos guia por um processo de cura e renovação que acorda o coração, a mente e o espírito...
Capa comum: 256 páginas
Editora: Editora Sextante; Edição: 1 (8 de julho de 2020)
Idioma: Português
ISBN-10: 8543109957
ISBN-13: 978-8543109954
Dimensões do produto: 16 x 2,1 x 23 cm
Peso de envio: 358 g

Melhor preço cotado ⬇️

Leia trecho do livro

A Irv,
meu irmão gêmeo aventureiro,
amante da vida
e dono de um espírito indomável

Um pássaro não canta porque tem respostas; canta porque
tem uma canção.

–JOAN WALSH ANGLUND

Um convite à liberdade

Queridos amigos, depois de mais de 40 anos falando sobre atenção plena e compaixão a milhares de pessoas no caminho espiritual, a mensagem mais importante que posso oferecer é a seguinte: Você não precisa esperar para ser livre. Você não precisa adiar a felicidade.

Muitas vezes, as práticas de atenção plena e de compaixão se misturam com uma visão de autodisciplina e responsabilidade. Nós as vemos como se estivessem nos conduzindo por uma longa estrada cheia de obstáculos que nos levará, em última instância, a benefícios distantes. Sim, há um trabalho árduo do coração e ciclos exigentes em nossa vida. Ainda assim, onde quer que você esteja em sua jornada, existe outra verdade maravilhosa chamada “Provando os frutos” ou “Experimentando o resultado”. Os frutos do bem-estar e da experiência de alegria, liberdade e amor estão disponíveis agora, seja qual for o seu momento de vida!

Quando Nelson Mandela saiu da prisão na ilha Robben após 27 anos de encarceramento, ele o fez com tamanhas dignidade, generosidade e clemência que sua mentalidade transformou a África do Sul e inspirou o mundo. Como Mandela, você pode ser livre e digno onde quer que esteja. Apesar das circunstâncias difíceis, apesar dos tempos incertos, lembre-se: a liberdade não é um privilégio de pessoas extraordinárias. Ninguém pode aprisionar o seu espírito.

Quando seu chefe chama e você fica com medo ou ansioso; quando um familiar vive um conflito ou está sob pressão; quando você se sente sobrecarregado pelos crescentes problemas do mundo – em todas essas circunstâncias, você tem escolha. Você pode se deixar limitar ou constranger, ou pode usar as dificuldades para se abrir e descobrir como reagir com inteligência aos desdobramentos desta jornada. Às vezes a vida torna tudo mais fácil; outras vezes ela é desafiadora e muito difícil. Às vezes a sociedade ao nosso redor está transtornada. Seja qual for o seu momento, você pode respirar, suavizar o olhar e lembrar que a coragem e a liberdade estão dentro de você, esperando que você desperte e as ofereça aos outros. Mesmo nas condições mais adversas, a liberdade de espírito está disponível. A liberdade de espírito é misteriosa, maravilhosa e simples. Aconteça o que acontecer, somos livres e capazes de amar nesta vida.

No fundo, sabemos que isso é verdade. Compreendemos essa verdade sempre que nos sentimos parte de algo maior – escutando música, fazendo amor, caminhando nas montanhas, nadando no mar, presenciando o mistério de um ente querido que se vai enquanto seu espírito deixa o corpo silenciosamente como uma estrela cadente ou testemunhando o nascimento milagroso de uma criança. Em momentos assim, uma alegre receptividade inunda o nosso corpo e nosso coração fica em paz.

A liberdade começa onde estamos. Sara, uma mãe solteira com dois filhos, descobriu que sua filha de 8 anos, Alicia, tinha leucemia. Sara ficou apavorada, ansiosa, sofrendo por causa do problema de saúde da menina e com medo de perdê-la. No primeiro ano, Alicia passou por longos ciclos de quimioterapia, internações em hospitais e consultas médicas. Uma grande tristeza tomou conta da casa e a ansiedade invadiu os dias de Sara. Então, uma tarde, quando as duas saíram para passear, Alicia disse: “Mamãe, não sei quanto tempo eu vou viver, mas quero que sejam dias felizes.”

As palavras da filha fizeram Sara despertar. Ela percebeu que precisava se desligar daquele melodrama lacrimoso para se sentir de novo confiante e satisfazer a liberdade de espírito da menina. Sara a abraçou e dançou uma valsa com ela, apertando-a junto a seu corpo. Seu medo desapareceu e, com o tempo, Alicia ficou curada. No momento em que escrevo este livro, ela está com 22 anos e acabou de se formar na faculdade.

Mesmo que ela não tivesse se curado, que tipo de vida Sara teria permitido que a filha escolhesse? Você não pode fazer muita coisa de sua vida se estiver infeliz. E pode também ser feliz.

Quando eu tinha 8 anos, em um dia de inverno especialmente ventoso, meus irmãos e eu vestimos casaco, cachecol e luvas e saímos para brincar na neve. Eu era magro como um palito e tremia de frio. Meu irmão gêmeo, Irv, mais forte, inquieto e vigoroso, olhou para mim, todo encolhido e medroso, e riu. Então ele começou a tirar as camadas de roupa, primeiro as luvas e depois o casaco, o suéter e a camiseta, tudo isso sem parar de rir. Ele dançou e desfilou seminu pela neve, o vento gelado nos castigando. Todos olhávamos com os olhos arregalados, rindo histericamente.

Naquele momento, meu irmão me ensinou algo sobre a escolha da liberdade, manifestando uma coragem que ficou gravada na minha memória. Queremos ser livres mesmo em meio a uma tempestade de neve com vento forte ou sentindo o vento frio da perda, da culpa ou de nossa insegurança coletiva. Queremos nos livrar do medo e da preocupação, sem nos prendermos a julgamentos. Nós podemos. Nós queremos aprender a confiar, a amar, a nos expressar e a ser felizes.

À medida que descobrimos a confiança e a liberdade em nós mesmos, encontramos nosso jeito de compartilhar isso com o mundo. Barbara Wiedner, que criou a organização Grandmothers for Peace (Avós para a Paz), explicou: “Comecei a questionar que tipo de mundo vou deixar para meus netos. Então recebi um sinal e fiquei em pé numa esquina. Depois me juntei a outras pessoas e formamos uma barreira humana diante de uma fábrica de munições. Fui presa, revistada e jogada numa cela. Mas entendi que eles não podiam fazer nada além daquilo. Eu era livre!” Atualmente, a organização de Barbara atua em dezenas de países no mundo todo.

Essa mesma liberdade também está aqui para você. Cada capítulo deste livro é um convite a experimentar uma dimensão especial desse você mesmo, e depois descobrimos a liberdade de amar, de defender o que importa e de ser feliz. Há histórias, reflexões e práticas que esclarecem o que aprisiona e como se libertar. Não se trata de um livro que você lê apenas para se sentir melhor por um tempo e depois guarda na estante. Descobrir a liberdade é um processo ativo que envolve inteiramente sua vida, seu intelecto e seu coração. Os meios e o objetivo são um só: ser você mesmo, sonhar, confiar, ter coragem e agir.

Você pode escolher o seu espírito. Liberdade, Amor e Alegria lhe pertencem, fazem parte da sua vida, do seu momento específico. São seu direito inato.

JACK KORNFIELD
Centro de Meditação Spirit Rock
Primavera de 2017

Parte Um

Liberdade de espírito

O que você planeja fazer com esta vida fantástica e preciosa?
– MARY OLIVER

Capítulo 1

A imensidão é a nossa casa

Às vezes, quando sou conduzido o tempo todo por fortes ventos no céu, sinto pena de mim mesmo.
– DITADO OJIBWA

Somos viajantes em uma estrela luminosa, compartilhando a dança da vida com 7 bilhões de seres como nós. A vastidão é a nossa casa.

Quando reconhecemos a imensidão do Universo, que está ao nosso redor e dentro de nós, a porta da liberdade se abre. Preocupações e conflitos são postos em perspectiva, as emoções são controladas com facilidade e agimos com paz e dignidade em meio aos problemas do mundo.

A dança da liberdade

Whitney foi atingida pelos problemas da meia-idade. A cirurgia de quadril de sua mãe foi marcada e seu pai estava no primeiro estágio da doença de Alzheimer. Ela queria que os pais continuassem morando na casa da família, em Illinois, mas as limitações deles tornaram a vida independente um desafio. O irmão de Whitney, que morava em St. Louis, não se envolveu. Queria que a irmã “resolvesse aquilo”. Portanto, Whitney tirou um mês de licença no trabalho e foi para a casa dos pais ajudar. Quando chegou, encontrou uma bagunça total. A mãe tinha uma longa recuperação da cirurgia pela frente e o pai era incapaz de se cuidar sozinho. Eles não podiam pagar pelos serviços de cuidadores em tempo integral e estava claro que teriam que se mudar dali.

Whitney caminhou até uma colina próxima que conhecia desde criança. Ela preferia que os pais ficassem lá até o fim. Mas a verdade é que ela não queria perder os pais. Chorou enquanto caminhava, mas quando chegou ao topo da colina sentou-se em silêncio, acalmou-se e contemplou os vastos campos que se estendiam até o horizonte. Nuvens negras faziam sombra sobre as várias casinhas aglomeradas nas cercanias da cidade e além.

Olhando para essa imensidão, ela subitamente se sentiu solitária. Whitney sabia que tudo tem seu ritmo – chegar e partir, florescer e lutar, surgir e desaparecer. Quantas pessoas, ela se perguntou, passam por situações tão difíceis quanto esta que estamos enfrentando agora? Quando sua respiração se acalmou, sua mente se abriu um pouco mais. Não sou a única pessoa com pais idosos. Faz parte da jornada humana. Conforme o espaço dentro dela se ampliava, Whitney sentiu-se mais confiante.

Todos nós podemos ver as coisas dessa forma. É possível ter uma perspectiva mais ampla. Um coração generoso consegue se lembrar do cenário mais amplo. Mesmo quando a doença se impõe, um familiar está morrendo ou ocorre qualquer outro tipo de perda, podemos reconhecer que isso faz parte de uma fase da vida.

Como seria a sensação de amar todas as coisas – tornar nosso amor maior do que nossas tristezas? Entre as multidões de seres humanos, muitos estão vivenciando perdas e mudanças. Muitos precisam de renovação. Ainda assim, o mundo continua girando, os fazendeiros cultivando alimentos, os mercados negociando, os músicos tocando seus instrumentos. Vivemos em meio a um enorme paradoxo sempre em mutação.

Respire. Relaxe. Viva um dia de cada vez.

Aquele que sabe

Quando seu coração generoso se abre, você pode redescobrir a vasta perspectiva da qual tinha se esquecido. O coração generoso revela a mente generosa. Essa é a mente que faz você enfim sorrir depois de dar uma topada, pular e gritar de dor. A mente que, no dia seguinte a uma briga com seu parceiro, oferece um novo ponto de vista para aquilo que parecia tão importante.

Sua mente generosa é a consciência natural que tudo sabe e tudo acomoda. Meu professor de meditação nas florestas da Tailândia, Ajahn Chah, chamava-a de “Aquela que sabe”. Ele disse que essa é a natureza original da mente, a testemunha silenciosa, a consciência generosa. As instruções são simples: torne-se testemunha de tudo isso, a pessoa com perspectiva, Aquela que sabe.

Preste atenção no filme exibido na sua vida agora. Observe o enredo. Pode ser uma aventura, uma tragédia, um romance, uma novela ou uma batalha. “O mundo inteiro é um palco”, escreveu Shakespeare. Às vezes você está envolvido na trama, mas lembre-se de que você também é o público. Respire. Olhe ao redor. Torne-se testemunha de tudo isso, a pessoa com perspectiva, Aquela que sabe.

Sentei ao lado da cama de uma mulher com câncer no pâncreas em seus últimos dias de vida. Ela tinha apenas 31 anos. Nós nos olhamos e as barreiras simplesmente se desfizeram. Seu corpo magro, seu gênero, suas realizações poéticas, sua família e seus amigos. Fui abençoado por ser uma testemunha de seu espírito. “Como estão as coisas?”, perguntei, com grande ternura. “Parece que esta encarnação vai acabar em breve. Tudo bem. Morrer é natural, você sabe.” O que o olhar profundamente expressivo dela me devolveu foi a imensidão, a ternura e uma liberdade atemporal.

Confie na consciência generosa e sinta a presença do amor. Aquele que sabe se torna a testemunha amorosa de todas as coisas. Você se torna a própria consciência amorosa. A liberdade da consciência amorosa está disponível. Ela só exige treino para que você se lembre dela e confie em sua onipresença. Quando você se sentir perdido, preso em um canto do quadro mais amplo, limitado ou aprisionado, respire fundo e imagine-se dando um passo para trás. Com a mente generosa, você pode testemunhar até esses estados restritos e mantê-los em amorosa consciência.

Relaxe. Com a consciência amorosa, você pode observar seus sentimentos, seus pensamentos, suas circunstâncias. Agora. Mesmo enquanto você lê este livro, observe aquele que está lendo e sorria para ele com a consciência amorosa. Inicie cada manhã com a consciência amorosa. Entre em harmonia com o espaço ao seu redor, com o espaço exterior e com a paisagem ampla que se espalha pelo continente. Sinta a vastidão do céu e do espaço que abriga a Lua, os planetas e as galáxias.

Deixe que sua mente e seu coração se tornem o espaço. Respire em seu coração. Observe as nuvens flutuando no céu infinito e se torne o céu. As nuvens não estão apenas no exterior, elas também flutuam dentro de você. Sinta a natureza, as árvores, as montanhas e os edifícios, tudo desabrochando em seu coração. Abra-se, incorpore-se ao espaço com amor. Relaxe e confie na imensidão que o rodeia, na imensidão que é você. Perceba quão vasta a consciência amorosa pode ser.

Como Aquele que sabe, presencie o que se passa ao seu redor e permita que a consciência amorosa abra espaço para tudo: tédio e excitação, medo e confiança, prazer e dor, nascimento e morte.

Fugindo das hienas

Na crise econômica de 2008, Benjamin, de 64 anos, perdeu mais da metade das economias que tinha reservado para a velhice. Ele e a esposa estavam em melhor situação do que aqueles que tinham hipotecas e perderam suas casas, e sabia disso; no entanto, quase adoeceu de tanta ansiedade. Ele checava o desempenho da bolsa de valores dez vezes por dia. Seus sonhos eram povoados por cenas em que ele se afogava, era caçado por hienas ou se perdia no caminho. Sua família lhe dizia para lutar contra essa obsessão, mas ele não sabia como. Em sua primeira aula de meditação, mal conseguia se sentar e ficar parado. A ansiedade desencadeava sensações físicas difíceis de suportar e sua mente não parava. Deveria sacar o dinheiro das ações que estavam em baixa? Perderia mais ainda se abandonasse um empreendimento imobiliário incerto?

Na segunda aula, propus uma meditação guiada no espaço, convidando a consciência vasta e aberta a envolver o corpo e a mente. Os alunos escutaram os sinos tibetanos na sala, além dos ruídos do tráfego distante e vozes do lado de fora, ouvindo como se a mente deles fosse tão ampla quanto o céu e todos os sons fossem nuvens flutuando nele. Essa experiência proporcionou grande alívio a Benjamin e ele comprou um CD de meditação para praticar em casa. Depois disso, quando pensamentos ansiosos o despertavam no meio da noite, ele sabia o que fazer. Adotando o espaço vasto como mantra, sua obsessão tornou-se menos intensa. Agora ele tinha alguma perspectiva: sabia que poderia proteger o que havia restado de seu dinheiro investindo de maneira mais conservadora. Benjamin também relaxou quanto a sua pretensão de querer controlar o futuro. Livre dos pensamentos obsessivos, conseguiu fazer-se presente no seio da família, como antes.

Mudanças como a de Benjamin são possíveis para todo mundo. Todos nós nos lembramos de momentos em que nos sentimos generosos e calmos. Escutamos melhor, vemos com mais clareza, nos exercitamos com mais perspectiva. Nossa vida interior fica mais nítida graças à consciência generosa. As emoções ruins se esclarecem e sua energia se dissipa. A depressão revela sua mensagem de sofrimento, raiva e necessidades não atendidas. Histórias assustadoras, quando vistas com mais clareza, abrem-se amorosamente à libertação. A liberdade de uma mente e de um coração generosos está sempre disponível. Caminhe nessa direção. Abra-se para a imensidão sempre que puder. Torne-se o céu da consciência amorosa.

Marcações: ,