Livro ‘Diário de Bordo’ por Blaise Cendrars

Baixar PDF 'Diário de Bordo' por Blaise Cendrars
Em 6 de fevereiro de 1924, ao desembarcar do vapor Le Formose no porto de Santos, Blaise Cendrars começava uma aventura que transformaria a fundo o curso de sua vida. Fazia já algum tempo que o poeta franco-suíço, autor de textos célebres como A prosa do Transiberiano, de 1913, buscava tomar alguma distância dos círculos da vanguarda parisiense. O convite de Oswald de Andrade e Paulo Prado vinha bem a calhar: depois de suas trágicas experiências durante a Primeira Guerra Mundial e da frustração de seus planos cinematográficos, Cendrars não podia senão acolher de bom grado a oportunidade de passar seis meses ao sol dos trópicos. O que acontece nos seis meses seguintes merece ser chamado de prodigioso
Editora: ‎Editora 34; 1ª edição (6 maio 2022)  Páginas: ‎208 páginas  ISBN-10: 655525100X  ISBN-13: 978-6555251005

Clique na imagem para ler o livro

Sobre o autor: Blaise Cendrars, pseudônimo de Frédéric Louis Sauser, nasceu em 1887 em La Chaux-de-Fonds, na Suíça. Em 1904, aos 17 anos, viajou à Rússia e viveu até 1907 em São Petersburgo. Em 1911 rumou a Nova York para reencontrar a estudante polonesa Féla Poznánska, com quem se casaria e teria dois filhos e uma filha. Ali escreveu Les Pâques à New York, obra que inaugurou sua breve e fulgurante carreira como poeta. De volta a Paris em 1912, Cendrars publicou Pâques, seguido em 1913 por um outro poema longo, Prose du Transsibérien et de la petite Jeanne de France, ilustrado por Sonia Delaunay. Quando da eclosão da Primeira Guerra Mundial, Cendrars alistou se na Legião Estrangeira e distinguiu-se em combate; em 1915, contudo, foi gravemente ferido e teve o braço direito amputado acima do cotovelo. Desmobilizado e naturalizado francês, publicou Dix-neuf poèmes élastiques e La Fin du monde filmée par l’Ange N.-D. (ambos de 1919), compilou uma antologia de contos populares africanos (Anthologie nègre, 1921) e escreveu o libreto de La Création du monde, montado em 1923 pelos Ballets Suédois com música de Milhaud e cenários e figurinos de Léger. Em janeiro de 1924 partiu rumo ao Brasil, onde ficaria até agosto do mesmo ano, em intenso convívio com os modernistas locais, como Paulo Prado, Tarsila e Oswald de Andrade. De volta a Paris publicou, ainda em 1924, Feuilles de route ― I. Le Formose. Passa a se dedicar à prosa, lançando os romances de aventura L’Or (1925), Moravagine (1926) e Dan Yack (1929), e depois ao jornalismo, que praticou até o início da Segunda Guerra Mundial, quando se engajou como correspondente junto ao exército inglês. Com a derrota francesa, se retirou para Aix-en-Provence. Após um período de silêncio, por volta de 1943 volta a produzir: em 1944, seus Poemas completos saem pela Denoël, e no ano seguinte inicia a publicação de suas memórias: L’Homme foudroyé (1945), La Main coupée (1946), Bourlinguer (1948) e Le Lotissement du ciel (1949). Em 1950 voltou a se instalar em Paris para trabalhar em sua última obra, o romance Emmène-moi au bout du monde!, publicado em 1956. Com sérios problemas de saúde, em 1959 é condecorado com a Legião de Honra e casa-se com a sua musa de longos anos, a atriz Raymone Duchâteau. Faleceu em Paris, em 1961.


Tags: , ,